Bombas de tinta no Tribunal de Justiça de Porto Alegre pela sentença a 11 anos de prisão do Rafael Braga, único preso pelos protestos de 2013

Bombas de tinta no Tribunal de Justiça de Porto Alegre pela sentença a 11 anos de prisão do Rafael Braga, único preso pelos protestos de 2013

Junho 18, 2017 - 09:51
0 comments

Rafael Braga Vieira, catador de lixo e morador de rua, foi detido em 21 de junho de 2013 no contexto dos protestos históricos contra o aumento da passagem no Brasil. Acusação: porte de artefato incendiário ou explosivo. O que ele tinha nas mãos eram duas garrafas de plástico, uma de água sanitária e uma de pinho sol.

Bombas de tinta no Tribunal de Justiça de Porto Alegre pela sentença a

11 anos de prisão do Rafael Braga, único preso pelos protestos de 2013.

 

Pela expansão do conflito e a revolta.

 

Expandir o conflito é desbordar qualquer margem

que ameace nos conter.

Espalhar o conflito é enxergar o instinto

anárquico de indocilidade, e poder agir com

ele, solidarizar por ele.

 

 

O Sábado 6 de maio, poucos dias depois de que ficamos sabendo da absurda

sentença, quando a noite caia, caminhamos em direção do Tribunal de

Justiça de Porto Alegre e atiramos contra ele bombas de tinta.

 

O domingo pela manhã já tinham contratado alguém para fazer a faxina do

lugar deixando ainda rastros do fato.

 

Uma semana depois, o sábado 13 de maio, fomos ate lá com a mesma vontade

e decoramos a fachada de novo.

 

Pouco importa se é simbólico, se só uns quantos estavam trabalhado (de

luzes ligadas) aquelas noites e tomaram um susto ao ouvir vidros se

quebrando na porta. O que importa é que sua normalidade seja quebrada,

que seus dias e suas noites não sejam calmas... que suas sentenças e

trabalhos que roubam a vida do Rafael e outros como ele, não fiquem como

a ordem normal da sociedade que faz séculos domina uns pelo progresso de

outros poucos. Que a normalidade de uma sociedade baseada na opressão,

racismo e o encerro seja quebrada. O que importa é que não se perda a

decisão em ação de revidar e atacar o que nos ataca.

 

Porque o Rafael?

 

Rafael Braga Vieira, catador de lixo e morador de rua, foi detido em 21

de junho de 2013 no contexto dos protestos históricos contra o aumento

da passagem no Brasil. Acusação: porte de artefato incendiário ou

explosivo. O que ele tinha nas mãos eram duas garrafas de plástico, uma

de água sanitária e uma de pinho sol.

 

Várias pessoas foram detidas ao longo de 2013 por ter participado nesse

mesmos protestos, e foram liberadas um tempo depois, alguns com uma

vergonhosa atitude delatora (esperar o que num lugar onde a delação é

premiada). Mas Rafael Braga não, ele não foi liberado. Ele foi

sentenciado e condenado a 5 anos de seqüestro nas gaiolas do

estado/capital-civilizador. A mensagem: A favela não pode protestar.

Tudo bem com estudantes, ativistas, e militantes da esquerda, e

sobretudo brancos, eles podem e até vão esperar em casa seu "devido"

processo, mas os negros, pobres e favelados atacar o sistema ... não! E

isso que Rafael apenas estava onde vivia, nas ruas.

 

Faz anos que existe uma agitação anarquica pelo Rafael. Desde reuniões,

almoços, atividades, feiras, um chamado internacional pelo Rafael em

novembro de 2016 e outro em junho de 2017, até ataques contra partes do

sistema carcerário: Queimaram caixas eletrônicos do Banco Santander em

dezembro de 2013 sinalizando a solidariedade com Rafael Braga, em maio

de 2014, os vândalos selvagens antiautoritários solidarizam também com

ele, queimando o tribunal militar da união e viaturas da PM, e em

setembro do 2016 alguns amigxs da revolta deixaram um artefato

incendiário embaixo de uma viatura mandando um abraço ao Rafael.

 

Esta agitação mostra que para alem das "ideologias", uma pessoa que cai

nas gaiolas do inimigo e se mantém digna, não será esquecida, não ficará

só, porque os laços construídos na luta, são firmes ainda quando

trata-se de alguém que recebe os castigos como efeito colateral de

nossas ações por ser parte dos reprimidos de sempre: negros pobres e

favelados. daqueles que não tem cidadania nem direitos.

 

Pequena alegria sentimos ao saber de sua liberdade vigiada em 2015, mas,

pouco duraria. Em janeiro de 2016 ele foi detido novamente, esta vez por

trafico de entorpecentes, unicamente com inimigos como testemunhas:

"Neste sentido são valiosas as declarações prestadas pelos policiais

militares Pablo Vinicius Cabral e Victor Hugo Lago, em seus respectivos

depoimentos às fls. 195 e 220, que diligenciaram a prisão do réu RAFAEL

BRAGA, declarações estas que foram corroboradas pelos testemunhos de

seus colegas de farda Farley Alves de Figueiredo (fl. 247) e Fernando de

Souza Pimentel (fl. 248)." Estrato da sentença contra Rafael Braga.

 

A mensagem de novo foi clara: 'quanto mais vocês se mobilizarem para

defender essas pessoas, mais dura será a nossa resposta’.

 

Com uma mão terna e a outra armada

 

Com uma mão terna, a solidariedade é um torrente de ações que procuram

fazer a vida do seqüestrado menos dura na cadeia, são atos certeiros que

quebram o isolamento mandando cartas, livros, comida, apoiando

economicamente a ele e a sua família que se vê obrigada a ter que lidar

com advogados, processos, as vezes até viagens para visitar alguém.

 

Mas, fazer menos pesada a cárcere não resolve nem questiona esta

sociedade carcerária. Aqui não existe um só juiz, advogado ou agente

penitenciário que não tenha sido parte do seqüestro de algum pobre,

negro, favelado. Não existe um só jornal que não nos ensine que isto é

"normal" em todos eles a negritude e a pobreza são transmitidas como

criminais. Então, aqui não existe negociação possível. Declaram-nos a

guerra. Policiais, leis e cárceres são parte da engrenagem da

dominação. Desde o capitão do mato até o sistema judicial a opressão só

tem mudado de nomes. A civilização dominadora, berço do estado, o

capitalismo e a moral dos que governam, chama a gritos um ataque,

provoca, cuspe no rosto e esmaga no chão se caírmos, nos demandando

reagir.

 

Por isso a nossa mão armada, a do confronto, do agito, do revide. Porque

cada ataque contra eles está justificado por séculos de dominação,

exploração e extermínio. Porque cada ato vandálico está justificado pela

ostentação da mercadoria e da cultura dominante, aquela velha

civilizada, bem penteada, ultra legalizada e moralista cultura do

domínio que marginaliza a quem não é serviçal, que mata ou seqüestra a

aqueles que não lambem a mão do patrão.

 

Porque a solidariedade é uma arma de combate que não só ajuda ao

companheiro, mas responde a quem nele bate.

 

Para mandar a merda ao juiz seqüestrador: Ricardo Coronha Pinheiro

 

mandando algo:

 

Ricardo Coronha Pinheiro

Tribunal de Justiça- Comarca da Capital

Cartório da 39ª Vara Criminal

Av. Erasmo Braga, 115 L II sala 812CEP: 20020- 903

Centro - Rio de Janeiro - RJ

 

mandando um email:

 

cap39vcri@tjrj.jus.br

assessoriadeimprensa@tjrj.jus.br

 

fazendo ligação ou mandando fax:

(0xx21) 3133-2000

 

Para doar qualquer valor à Família de Rafael Braga

-banco Caixa Econômica Federal

Agencia 4064

Conta Poupança 21304-9

Operação 013

Nome: Adiara de Oliveira Braga (mãe do Rafael)

CPF: 148 955 027 59

 

 

Pela Solidariedade combativa

Pelo Rafael

A cada ataque um contra-ataque!

 

 

 

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.