Rio de Janeiro-RJ: Festival de cinema dona Jane Camilo - Julho Negro

Rio de Janeiro-RJ: Festival de cinema dona Jane Camilo - Julho Negro

Julho 24, 2017 - 16:53
1 comments

Nesta sexta-feira, 21 de julho, ocorreu o Festival de Cinema em homenagem a dona Jane Camilo na Biblioteca Parque em Manguinhos. Jane Camilo, mulher preta, guerreira, militante e lutadora contra as violações dos direitos humanos na favela de manguinhos. Também é fundadora do Fórum Social de Manguinhos, participante do Conselho Gestor Intersetorial da Saúde de Manguinhos, Conselho Comunitário de Manguinhos e da Organização Mulheres de Atitude.

O festival exibiu filmes que retratam a história de personagens reais da favela, mostrando a realidade da violência que, muitas vezes vem do próprio estado com a desculpa da falsa guerra às drogas. Denuncia as mortes na favela, como o de Johnatha Oliveira, assassinado aos 19 anos por um policial da UPP de Manguinhos com um tiro nas costas e mostra a luta de mães e militantes por justiça e pelo fim da violência.

Programação Festival:

1. Unos Cuantos Piquetitos
Duração: 3 minutos
Produção: Cartel Adélias
Sinopse: Quantas ”facadinhas” recebem uma mulher durante toda a sua vida? Unos cuantos Piquetitos é inspirado na obra de mesmo nome, que Frida Kahlo que trata da violência que sofrem cotidianamente as mulheres.

2. Doces Sonhos
Duração: 17 minutos
Produção: Macário Silva e Artur Pereira
Sinopse: Abandonando a posição de objeto para (re)tomar o seu lugar de locutor – narrador de sua própria vivência, o documentário ficcional aborda a relação de mãe e filho e as dificuldades de subsistência de famílias pretas periféricas geográfica ou social. Com relatos de Mulheres Mães Pretas das Favela da Maré que contam suas histórias de posicionamento, resistência e perdas.
(RE)construindo uma narrativa anacrônica, familiar a todos os povos pertencentes à Diáspora Negra.

3. Cada Luto, uma Luta
Duração: 20 minutos
Produção: Ana Paula Oliveira e Victor Ribeiro
Sinopse: Documentário sobre a luta de uma mãe por justiça, pela morte de seu filho Johnatha Oliveira, assassinado aos 19 anos por um policial da UPP de Manguinhos com um tiro nas costas.
“ Cada vez que eu falo no meu filho, eu ganho forças.” (Ana Paula Oliveira – Mãe de Johnatha e Produtora do filme)

4. Clipe da Música Estereótipo Criminoso do Rapper Magoo Campos
Duração: 4 minutos
Direção: Magoo Campos
Produção: Coletivo Antena Mutante
Resultado do 1º Trabalho do músico com o EP Escurecendo os Fatos, lançado no Verão de 2016, na Favela de Manguinhos

Leia mais: Rio de Janeiro-RJ: Ato em memória da chacina da Candelária - Julho Negro

There is 1 Comment

CMI com mais de 15 anos de história ajudando os movimentos sociais de base. parabéns!
Tamo junto

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.