Pedagogia em Rojava: Onde estudantes são também professores

Pedagogia em Rojava: Onde estudantes são também professores

Janeiro 24, 2018 - 15:36
0 comments

O texto a seguir é de autoria do internacionalista Marcel Cartier  em visita a Rojava, publicado originalmente em http://kurdishquestion.com/article/3918-rojavan-pedagogy-where-students-are-also-teachers

Impressões sobre a construção de cultura e educação revolucionárias no norte da Síria

A cultura revolucionária é muitas vezes pensada como a criação de algo completamente novo no processo de transformação radical da sociedade. As ideias da antiga ordem ideológica são jogadas no lixo da história e substituídas por completo por aquelas que representam os anteriormente subjugados e oprimidos. Claro, na prática nunca foi tão fácil ou trivial em qualquer revolução até à data. Além disso, em sociedades que viram culturas indígenas reprimidas pelos poderes estabelecidos, as formas de expressão marginalizadas e às vezes ilegais podem, na virtude de seu próprio antagonismo com o Estado, serem de caráter revolucionário apesar de não terem sentido "novo". Tal é a realidade hoje no norte da Síria, em que não só a língua e a cultura curdos, mas também as das 25 ou 30 etnias diferentes dos árabes que residem lá, são novamente analisadas e praticadas.

No entanto, a realidade é que um "retorno ao passado" está cheio de imensas contradições. O movimento de libertação curdo geralmente fala de um "retorno à sociedade natural", mas isso não se faz de forma rígida. Se todos os elementos da cultura colonizada forem praticados mecanicamente, isso não é o mesmo que criar uma cultura revolucionária. Não é suficiente para os radicais em Rojava que a "cultura curda" em algum sentido abstrato seja recuperada. A questão torna-se, que tipo de cultura curda? Existe, de fato, uma profunda diferença entre a cultura do nacionalismo estreito e tradicional que é o oficialismo do sistema educacional na região iraquiana do Curdistão e os dos internacionalistas que são a vanguarda da mudança no norte da Síria, por exemplo. É possível que os elementos da cultura reivindicada, especialmente se representam ideias feudais, sejam reacionários e precisam ser substituídos por algo que faz uma ruptura radical desse passado.

Meu passado como artista de hip-hop do ocidente cuja música contém uma mensagem progressista e socialista provocou um grande interesse na forma como as artes estão sendo praticadas hoje em Rojava, cinco anos depois que o chamado autogoverno democrático assumiu o controle da organização da sociedade do antigo estado Sírio-Árabe. Fiquei fascinado ao ver o que aconteceu com as antigas escolas que só ensinavam na língua árabe, e além disso apenas ensinava a cultura árabe numa região tão diversa etnicamente.

Entrando na academia Shehid Yekta Herekol

Situado a apenas 30 km a leste de Qamishlo, a capital de facto da Federação Democrática do Norte da Síria (DFSNS na silga em inglês) é a cidade de Tirbespiye. Pode não ser fácil encontrar em um mapa por seu nome curdo hoje, já que é nome oficial dentro da República Árabe Síria ainda é al-Qahtaniyah. Chegando na cidade de cerca de 16 mil moradores, o grupo de internacionalistas com que viajo tem a primeira parada em um ponto de controle do Asayish[1]. Depois de ser autorizado continuar com um aceno, posso ver um grupo de talvez uma dúzia de adolescentes que se preparem para cumprimentar nossa caravana na entrada da frente de uma das primeiras academias revolucionárias da região para a prática das artes. Ao pisar na calçada e caminhar até os portões da instituição, um jovem de mais de 18 anos alcança minha mão e diz em inglês "Bem-vindo à Academia Shehid Yekta Herekol".

O nome da instituição, como tantos outros no norte da Síria hoje, homenageia um mártir do Movimento de Libertação Curdo. Yekta Herekol, nascido em Dersim em 1968, estudou teatro em Ankara até o início da década de 1990, quando foi confrontado com as práticas discriminatórias do Estado turco em relação a sua cultura nativa. Depois de decidir se juntar ao PKK nas montanhas, ele foi pego em duas ocasiões pelas autoridades turcas, mas conseguiu eventualmente viajar para o exterior, onde ele desenvolveu suas capacidades artísticas ainda mais. No entanto, enquanto livre para praticar sua cultura abertamente na Grécia e na Rússia, ele desejava o solo de sua casa e decidiu voltar ao Curdistão. Em 2003, ele entrou em Rojava e juntou-se às manifestações em Qamishlo em 12 de março de 2004. Duas semanas depois, em Halab (Aleppo), ele ateou fogo ao próprio corpo em sinal de protesto, não só contra a repressão do governo central à expressão curda, mas como uma crítica do movimento para "fazer seu trabalho corretamente e reforçar a luta".

Entrando no salão principal da academia, senti como se eu tivesse entrado em um museu do futuro. Havia belas pinturas e esculturas para serem vistas em todos os lugares, aquelas que me faziam perguntas se fosse possível que pessoas tão jovens como as que acabava de conhecer fossem realmente responsáveis por criações tão maravilhosas. Acontece que todo o trabalho que era para ser visto aqui eram as conquistas desses estudantes incrivelmente talentosos. O nosso grupo recebeu uma visita aos dois andares da academia, com sala após sala cheias de ferramentas para a prática das artes - figurinos para apresentações teatrais, instrumentos musicais, escovas e cavalete para pintura. No pátio, havia um espaço verde que os alunos e os professores planejavam transformar em um jardim completo no futuro próximo. Em seguida, fomos levados para a cozinha, onde um pequeno grupo de estudantes preparava o almoço, antes de ser convocado para o que parecia ser uma performance musical improvisada por outro grupo de jovens.

Hevalti (camaradagem) entre aluno e professor

Parece estranho usar as expressões 'aluno' ou 'professor' para se referir aos papéis daqueles que estão recebendo educação na academia e aqueles que são responsáveis pela instrução. Na verdade, a distinção é muito mais desfocada do que nas instituições das sociedades capitalistas, ou talvez mesmo em alguns socialistas. Eu rapidamente percebi que a relação entre estudantes e professores aqui não assume o tipo de características de subordinação com as quais cresci. Lembro-me de ir à escola, me dizerem o que pensar (em oposição aos métodos de como pensar), recolhendo informações no meu cérebro, certificando-se de que não desafiei muito os meus professores, e fazer exames que eu senti eram bastante inúteis maior parte do tempo. A informação retida a longo prazo era praticamente um pensamento. Aqui em Rojava, encontrei algo radicalmente diferente, um tipo de paradigma de aprendizagem que me lembrou as ideias apresentadas na Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire. Como foi dito por um dos alunos, com 17 anos de idade, chamado Gelhat: "somos todos estudantes e professores. É assim que estamos organizados e como descobrimos que aprendemos melhor."

Isso não quer dizer que não haja estrutura oficial, é claro. A academia tem um Reverberi, traduzido grosseiramente como liderança, mas não é uma administração intocável ou inexplicável para aqueles que estão matriculados lá. (Como em todas as administrações em Rojava, cinquenta por cento dos Reverberi devem ser mulheres). Não parecia haver o tipo de presença intimidante aqui em nome da liderança que eu me lembro tão bem nas minhas escolas. Como me falaram um desses "administradores": temos um tekmil semanal (uma sessão de críticas e autocrítica) em que os alunos e nós refletimos juntos sobre o que somos críticos em nós mesmos, o que poderíamos ter feito mais efetivamente, e quais sugestões façamos avançar. Além disso, é aqui que os alunos podem fazer críticas ao reverberi. Nosso relacionamento é baseado no conceito de hevalti (camaradagem). Não é hierárquico.

Para o ouvido estrangeiro, estes eram conceitos chocantes, por um lado, mas, por outro, pareciam ecoar o senso comum. Que melhor maneira de realmente ir a raiz de como melhorar uma experiência de aprendizagem do que ter um fórum para torná-la mais produtiva ao invés de reprimir sugestões de melhoria? Isso parecia ser um conceito verdadeiramente radical saído dos centros de 'aprendizagem' ocidentais. Parecia profundamente revolucionário pensar que os professores poderiam ser criticados de forma direta e não tomá-lo pessoal, ou não responder  "disciplinando" os alunos. Destruir a barreira de separação do professor "intocável" que estava lá para implantar inorganicamente o conhecimento no aluno era algo que eu sonhei há muito, e aqui eu estava vendo isso em ação. Percebi então que não era apenas o meu ouvido estrangeiro que isso deveria ter parecido estranho - em um ponto, esses alunos devem ter sentido exatamente o mesmo.

Eu estava profundamente curioso sobre o quanto a educação nesta região do país se transformou desde que a autogoverno assumiu o controle em 2012. Como um dos membros do Reverberi me diz, "essa academia costumava ser um centro cultural do estado. Mas naquela época, era inconcebível que jovens da origem desses alunos que estão aqui hoje terem acesso a ele. Era para as elites, e principalmente para os árabes. Agora estamos tentando construir a nação democrática, então nosso objetivo é ter estudantes de todas as origens, não apenas curdos. É claro que, devido à repressão da cultura curda, esse até agora foi nosso foco, já que os alunos já conhecem muito bem a cultura árabe de suas instruções anteriores antes da revolução." Adicionando as palavras desse instrutor estava uma jovem de 17 anos, que falou de quão diferente é o ambiente de aprendizagem agora oposto a antes de 2012. "Lembro-me, nesse momento, se um aluno não aprendia adequadamente o currículo oficial, seríamos espancados. Agora estamos ensinando. Diferente como dia e noite."

Estrutura da Academia

O ensino a que se referia é o fato de que uma vez por mês, cada aluno é responsável por criar uma lição e facilitá-la para o resto da turma. Nesta academia, aberta no outono de 2015, atualmente há 35 alunos, além de quatro do período anterior que permaneceram em um papel de apoio. Ao contrário das instituições que eu frequentei toda a minha vida, o tempo de aprendizado aqui não é por vários anos, mas sim 15 meses. Isso não é necessariamente considerado o período de tempo ideal que os alunos devem passar na academia, mas como me disseram "é acelerado por causa da guerra". Temos necessidades urgentes na sociedade em geral, então, uma vez que os alunos realmente dominam suas disciplinas, eles são, naturalmente, necessários em outros lugares para contribuir com suas habilidades. "O mais novo desses alunos tem 13 anos e os mais velhos tem cerca de 20 anos. Ao contrário de nossos ginásios ocidentais ou escolas secundárias, não há distinção de grau ou ano. Os jovens de 13 anos se sentam nas mesmas lições com os colegas que são até sete anos mais velhos do que eles. Durante o presente período, existem cinco professores de música, quatro cursos de cinema e quatro para dança. A educação diária consiste em quatro horas de instrução pela manhã e às três da tarde, cinco dias por semana. Isso equivale a um total de 35 horas de instrução por semana.

É dito que o dia a dia da academia não é apenas feito pelos alunos, mas democraticamente planejado por eles de forma coletiva. Além do trabalho na cozinha, a logística e a limpeza do centro são feitas de forma comunal. Este é um centro em que os alunos não só aprendem durante o dia, mas também dormem, por isso são todos confiados a responsabilidade de cuidar do seu ambiente de aprendizagem e de vida.

Academias em vez de universidades

A ideia da academia livre (não há, claro, nenhuma taxa de matrícula aqui) foi uma sugestão do líder do Movimento de Libertação Curda, Abdullah Ocalan, que viu seu estabelecimento como uma forma de substituir a atual estrutura da universidade estatal. Como me disseram, existem semelhanças com as universidades ou escolas tradicionais, no sentido de que há alguns exames, mas a diferença é que, se o aluno não tiver sucesso na primeira vez, não lhes é dito que falharam nem são chutados da academia. Além disso, embora os diplomas ou certificados sejam emitidos, o foco principal é realmente dominar assuntos e disciplinas, em vez de apenas ter um pedaço de papel para provar que a academia foi atendida e usar isso para então ter 'sucesso' na sociedade e poder ganhar mais dinheiro do que alguém que não frequentou a academia. Como um estudante me disse, "talvez você olhe para a superfície como uma universidade, mas o conteúdo é radicalmente diferente".

Talvez no contexto de nossas sociedades, muitas vezes pensamos que a arte é criada simplesmente para o propósito da própria arte. Isso não é necessariamente verdadeiro, pois toda arte tem uma orientação ideológica (inclusive quando a arte afirma estar acima da ideologia ou ser não ideológica). Nesta academia, há uma ênfase na história, filosofia, estética, ideologia, política e social da arte e da cultura. Atualmente, há um total de trinta áreas de estudo, que visam contribuir para o lema promovido pelo Reverberi: "Queremos criar um artista capaz de tirar a máscara dos que estão no poder; um artista que está criando a base para destruir seu poder. Esta instituição está levando a nossa voz e os nossos sentimentos de volta do nosso inimigo e dando voz a todos os outros povos oprimidos pelo sistema de ocupação ".

Enfrentando problemas e contradições

Como em todas as instituições de Rojava, não faltam problemas que possam se colocar no caminho do desenvolvimento delas. Afinal, de que outra forma poderia ser em uma situação de guerra? Esta revolução não está se desenrolando em condições ideais, mas no meio de um cenário em que a sobrevivência literal da população não é uma conclusão inevitável. Ainda assim, há uma atmosfera de humor e coração leve que é capaz de permear o meio ambiente na academia. Quando pergunto a um dos Reverberi o que o principal problema está enfrentando na academia, ele diz, talvez meio brincando: "Você conhece os jovens: eles não querem se sentar na aula, mas correr e brincar tempo todo!" Olho para um dos alunos, que sorri maliciosamente, da mesma maneira que meus amigos e eu fazíamos quando estávamos aprontando alguma na aula. Mesmo aqui, em um ambiente de aprendizagem cooperativo e democrático, o espírito jovem de rebelião é inescapável.

Tornando-se mais sério, o camarada do Reverberi me diz: "Cada aluno traz consigo a influência do sistema de ocupação, bem como a influência da sociedade tradicional curda. Nosso objetivo é transformar essas ideologias. 10 por cento da nossa luta é contra um inimigo externo e 90 por cento é interno. "Ele também faz um ponto fascinante sobre o tipo de disciplina necessária para superar a socialização da velha sociedade. "Quando você diz a esses jovens para combater no YPG [2], eles estão prontos para isso, mas quando você diz para sentar e ler, eles dizem que não. O estudo exige um esforço imenso, talvez muito mais esforço do que lutar.”

Além dos problemas de jovens que foram aludidos, foi apontado que a cultura do tradicionalismo ainda presente na sociedade impediu que alguns alunos que desejavam participar da academia fossem capazes devido às suas famílias. Isso ressalta a importância do trabalho do centro, pois o que acontece dentro dos corredores de aprendizagem tem uma relação dialética com o que ocorre na sociedade em geral, incluindo os pontos de vista de mães e pais. Espera-se que, no devido tempo, as atitudes da geração mais velha que impedem seus filhos e filhas de chegar a lugares de aprendizagem para viver e estudar serão gradualmente corroídas.

Essa transformação gradual, ainda que muito real, de seres humanos estava em plena exibição nos estudantes que conheci. Era claro que eles estavam desenvolvendo éticas e personalidades revolucionárias. A academia já está enviando alguns de seus alunos para cidades como Derik, Qamishlo e Kobane por períodos de dois meses com a tarefa de educar dez pessoas nas artes. Eles são confiados de responsabilidades de que nossa juventude no ocidente não seria encarregada por nenhum administrador em qualquer centro de aprendizagem.

 

Dançando no futuro

Confesso que nunca estive tão envergonhado quanto a noite após o termino do seminário que o meu grupo internacionalista recebeu sobre a história da academia e a estrutura de aprendizagem desenvolvida em Rojava. Nós íamos passar a noite na academia com os alunos, e as atividades que transcendem a barreira do idioma são sempre as melhores maneiras de conhecer as pessoas em algum nível. O constrangimento já havia começado algumas horas antes em uma interrupção na programação, quando minha equipe "internacionalista" sofreu o que deve ter sido entre as pior perda de vôlei da história. Com toda a justiça, os alunos da academia provavelmente praticam quase que diariamente, já que eles têm uma rede na frente da entrada da escola, então milagres não poderiam ser esperados. No entanto, mais tarde eu estava rezando por algum tipo de intervenção divina quando eles nos arrastaram para a pista de dança naquela noite para participar da dança tradicional curda. Infelizmente, não havia lugar para se esconder nem dos olhos nem das câmeras dos alunos. Eles tiveram uma risada bastante saudável às nossas custas - bem, talvez não às nossas custas, já que nos rimos do constrangimento talvez ainda mais do que eles.

À medida que as primeiras horas de diversão começaram a passar, todos voltamos à realidade quando percebemos o quanto era tarde. Às dez horas da noite, geralmente os estudantes estão nos seus aposentos preparando-se para descansar, mas eram quase onze e ainda estávamos encharcados em suor das horas de dança (uso essa palavra folgadamente no meu caso). Situado do outro lado da rua a partir do salão principal é onde vivem alguns estudantes do sexo masculino, em um cenário comparável aos dormitórios da universidade ocidental. Nós caminhamos para o refrescante ar da noite e atravessamos a estrada. Eu não pude deixar de pensar em minha experiência da faculdade cerca de quinze anos antes. Lembro-me das inúmeras vezes que eu voltaria para o meu dormitório depois das festas universitárias aparentemente sem fim, geralmente bêbado e tropeçando. Verdade seja dita, não tenho muito respeito pela minha experiência na faculdade porque, francamente, senti como se a instituição não tivesse um grande respeito por mim. Não consegui me relacionar com a experiência em que senti que não estava aprendendo muito, nunca me sentia desafiado, e onde os professores agiam como se fossem intocáveis. Não dialogou comigo. A única parte da faculdade que eu realmente gostei - e garanto que este é o caso de uma grande parte dos estudantes universitários dos Estados Unidos - eram aquelas festas nas noites de sexta-feira e sábado que eram um indulto da instrução chata e rígida recebido durante a semana. A alienação que eu senti de estar na escola voltou mais tarde para a alienação da força de trabalho. O único consolo que encontrei era sair as noites de sexta-feira e esquecer a existência da minha exploração.

No entanto, aqui estava no meio da guerra na Síria e achei algo extraordinariamente diferente. Eu desejava que eu pudesse ser da idade desses alunos de novo para que eu pudesse participar de um centro de aprendizado como aquele em que acabara de pisar. Não haveria a inclinação para "ficar bêbado" ou tentar encontrar outras fugas emocionais dos limites mundanos e sufocantes da universidade ocidental. Aqui havia uma pedagogia em desenvolvimento que respeitava o aluno como mestre de seu destino, como parte de um todo maior e de um movimento para a libertação humana. O exemplo do que presenciei foi poderoso. Embora no ocidente, eu me considere afortunado de poder dormir pacificamente todas as noites sem preocupar-me com a aproximação das forças fascistas na minha porta, eu simultaneamente sinto inveja de que a juventude de Rojava tenha o luxo de construir um novo sistema educacional e cultural. É um luxo que, claro, não é realmente muito luxuoso, pois as forças de autodefesa estão pagando pela defesa desses alunos em sangue todos os dias. Para citar Lincoln Steffens depois que ele visitou a União Soviética nos primeiros anos da revolução, "eu vi o futuro e funciona." Desta vez, no entanto, esperemos que o futuro seja escrito de forma mais linda e vitoriosa.

[1] Asayish são as forças de segurança que atuam em Rojava.
[2] YPG (Unidades de Proteção Popular)  são uma força militar majoritariamente Curda, sendo o YPG e sua contraparte feminina YPJ os principais responsáveis pela derrota do Estado Islâmico no Norte da Síria.

 

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.