[Rio de Janeiro-RJ] Vereadora é morta após denúncias e gera revolta

[Rio de Janeiro-RJ] Vereadora é morta após denúncias e gera revolta

Março 16, 2018 - 13:56
1 comments

Neste dia 14, a vereadora Marielle Franco, do PSOL-RJ, uma das mais votadas do município, foi assassinada enquanto voltava de um evento na Lapa. Segundo testemunhas, um carro emparelhou ao dela no bairro do Estácio e efetuou 9 disparos, matando a parlamentar e seu motorista Anderson Pedro Gomes, de 39 anos. Tudo indica uma execução.

Neste ponto, é preciso ter em mente quem teria interesse na morte de Marielle Franco. Nas redes sociais, internautas buscaram em sua página postagens recentes denunciando o 41 BPM (Irajá) por conduzir com truculência operações na favela de Acari e de matar duas pessoas e jogá-las em um valão. As denuncias contra a Policia Militar e principalmente contra o 41 BPM são constantes e a luta pela desmilitarização fazia parte da agenda da parlamentar.

Outro fato interessante é que, dias após o interventor Walter Braga Netto dizer que "não podia correr o risco de uma nova comissão da verdade ser criada" Marielle foi nomeada relatora da comissão que acompanharia a intervenção federal no Rio. Ela era abertamente contra a operação dos militares na cidade.

Vimos que muitos teriam interesse na execução da vereadora e todos estes ligados ao braço armado do Estado. Apesar de muitos ainda tocarem na tecla de um possível assalto, a própria Polícia Civil trabalha com a suspeita de uma execução. O motivo é político e deve ser pensado por todas e todos. Um contexto de maior repressão do Estado justificado por uma intervenção militar constitucional começa com a morte de uma vereadora de esquerda.

Marielle denunciava o genocídio da população negra e periférica por parte da PMERJ e, nesta quinta-feira, dia 16, a população revoltada foi às ruas exigir o fim das mortes, da Policia Militar e da intervenção. O ato reuniu milhares de pessoas na ALERJ e caminhou até a Cinelândia com palavras de ordem contra a PM, contra o racismo do judiciário e contra a intervenção federal. Não houve confronto pois a polícia acompanhou o protesto de longe.

O momento é extremamente delicado e pede cada vez mais organização para lidar com o que está por vir. Um contexto de repressão e ataque vindos do Estado por meio de seu braço armado se desenha no país e principalmente no Rio de Janeiro que recebe a intervenção. É importante, além de demonstrar a revolta e resistir nas ruas, fomentar a organização popular nos bairros e locais de trabalho. Um povo organizado para a luta é mais díficil de ser dominado.

Construir grupos de estudo, grupos de mídia para denunciar abusos, aulas de autodefesa, centros culturais periféricos onde se reúnam as populações locais e se coletivize a cultura de resistência são medidas importantes, além das manifestações.

There is 1 Comment

"SERÁ QUE NINGUEM PERCEBEU QUE ESSA ASSESSORA TÁ ESCONDENDO ALGO?
COMO É QUE ELA COM MAIS 2 PESSOAS NUM CARRO PEQUENO, ESSAS DUAS PESSOAS RECEBEM VARIOS TIROS, O CARRO FICA ALASTRADO DE SANGUE E ELA DIZ QUE PUXOU O FREIO DE MÃO, OLHOU PARA O MOTORISTA E OLHOU PARA A VEREADORA E ACHOU QUE AMBOS ESTAVAM DESMAIADOS? OS TIROS DA VEREADORA FORAM NA CABEÇA, ELA ESTAVA DO LADO DELA!
E QUAL PESSOA TENDO PASSADO POR TAL TERIA O SANGUE FRIO DE PUXAR O FREIO DE MÃO E SAIR IMEDIATAMENTO DO CARRO CORRENDO O RISCO DOS BANDIDOS ESTAREM POR PERTO?
A PRIMEIRA REAÇÃO NOSSA NÃO SERIA VERIFICAR COMO AS DUAS OUTRAS PESSOAS ESTAVAM?
SE OS TIROS DURARAM SEGUNDOS, COMO DEU TEMPO DA ASSESSORA SE ABAIXAR SEM VER NADA?
PORQUE ATIRARAM NA DIAGONAL E NÃO EM LINHA RETA COMO SERIA O NORMAL?
POR QUE ARRISCARAM MATAR O MOTORISTA E A ASSESSORA NÃO, ATIRANDO NA DIAGONAL?
POR QUE JUSTAMENTE NO DIA DA EXECUÇÃO O MOTORISTA OFICIAL PEDIU PRA SER SUBSTITUIDO?
A CONVERSA AO CELULAR DA ASSESSORA COM O MARIDO NÃO PARECE DE ALGUEM QUE ACABOU DE ESCAPAR DE UM TIROTEIO. PARECE CONVERSA PROGRAMADA.

REPARARAM QUE EM NENHUM MOMENTO A ASSESSORA AGRADECE A DEUS POR ESTAR VIVA, POR TER LIVRADO ELA DAS BALAS?
QUEM TENDO ESCAPADO DE EXECUÇÃO DIZ QUE "GOSTARIA DE TER MORRIDO" OU "DE ESTAR MORTA", "DE TER MORRIDO NO LUGAR DELA"... SE A ASSESSORA GOSTAVA TANTO DA VEREADORA A PRIMEIRA REAÇÃO DA ASSESSORA APÓS OS TIROS NÃO SERIA ABRAÇAR A VEREADORA E PROCURAR SABER COMO ELA ESTAVA? ENTÃO POR QUE ELA "ACHOU" QUE A VEREADORA ESTAVA DESMAIADA (IMAGINEM A BAGACEIRA QUE FICOU A CABEÇA DA POBRE VEREADORA DEPOIS DOS TIROS JUNTO DELA), PUXOU O FREIO DE MÃO JUNTO DO MOTORISTA TODO ENSANGUENTANDO, DESCEU DO CARRO E LARGOU ELES LÁ DESMAIADOS?"

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.