PEQUENO HISTÓRICO DE MEUS PROCESSOS
Austregésilo Carrano Bueno

1º AÇÃO INDENIZATÓRIA POR ERRO MÉDICO-PSIQUIÁTRICO NO BRASIL.
Em 13 de maio de 1998 entrei com a primeira Ação Indenizatória por Erro Médico-Psiquiátrico na história forense brasileira, processo n° 514/98, na 10° Vara Cível de Curitiba, no Paraná. O Juiz Dr. Guilherme Luiz Gomes, o responsável pelo julgamento da Ação. É de extrema importância este fato de ser o 1° (primeiro) Processo Indenizatório por Erro Médico-Psiquiátrico, pois se tenho ganho de causa, irá abrir um precedente de valores e interesses que certamente mexeria diretamente com os Proprietários e Associados dos Hospitais Psiquiátricos em todo o Brasil, e também com a Federação Brasileira de Hospitais. Em maio de 1999 o Juiz Guilherme Luiz Gomes, depois de minha advogada pedir a condenação de uma das partes que não fez a defesa no prazo cedido por ele na Ação, o que resultaria na minha vitória, já que as partes respondiam na mesma Ação, após uma semana de nosso pedido, o Sr. Juiz prescreveu a causa. Na verdade barganhou a Ação com a parte que financeiramente tem muito para negociar. Recorremos a 2° instância no Tribunal de Justiça do Paraná, e qual foi à surpresa: O Tribunal de (IN)Justiça do Paraná além de concordar com a prescrição inconstitucional, pois era menor e fui torturado, essas ações não prescrevem segundo a Constituição Federal, condenaram-me a pagar R$ 60.000,00 ( sessenta mil reais ) aos meus torturadores que estava processando pedindo indenização pelos três anos e meio que estive confinado, torturado e usado como cobaia nas 21 aplicações de eletroconvulsoterapia que fui submetido como cobaia. A Ação hoje se encontra parada por falta de grana para contratar um advogado. Quero recorrer ao Supremo Tribunal Federal em Brasília. Consegui que um advogado, que por mil reais entrasse com Recursos Especial e Extraordinário com o n° 135320/2001 e Apelação Original de n° 154970-0/02, que até agora o Ministério Público aqui do Paraná não acatou. Este advogado isentou-se do caso por motivos médicos. Sei que ta um rolo que nem eu entendo mais, só sei que estão fazendo de tudo para que o Processo não sai das mãos deles, e que continue na Jurisdição Paranaense onde eles têm o controle... Repito o Processo está sem advogado por falta de grana e interesse até do Movimento da Luta Antimanicomial, posso não estar sozinho, mas me sinto desamparado!
2º PROCESSO ? CASSAÇÃO DO LIVRO ? CANTO DOS MALDITOS ?.
Agravo de Instrumento n° 119960-2, de Curitiba. 8º Vara Civil, que é a solicitação da esposa do médico psiquiatra discípulo de Menguelle, Dr. Alô Ticoulat Guimarães. Sua esposa Ilka Maria Guimarães Paolini e outros, pedem a Cassação da Obra Literária ?Canto dos Malditos ?, alegando: ? O autor da obra, conforme aduzem, desferiu impropérios contra o falecido médico, utilizando linguajar inapropriado, causando humilhação e sofrimento aos familiares. Entendendo que houve abuso no direito à livre manifestação do pensamento pleitearem a antecipação da tutela para apreender e retirar de circulação todos os exemplares da atual edição da obra referida.? Estes são os argumentos aceito pelo Tribunal de (IN)Justiça do Paraná, alegam ainda que: ? O Dr. Alô Ticoulat Guimarães era médico e professor de renome, tendo ocupado cargos como Prefeito Municipal de Curitiba, Secretário de Estado da Saúde, Deputado Federal e Senador da República, cuja a imagem

02
vem sendo há muito denegrida pelo autor da obra, primeiro por artigos avulsos no Jornal do Estado desde o ano 1987.?
No dia 30 de Abril de 2002 foi aceito pelo Desembargador J. Vidal Coelho do Tribunal de Justiça do Paraná o pedido de Cassação e recolhimento do livro ?Canto dos Malditos ? escrito por um louco que teve a coragem de mostrar o que realmente este emérito e conceituado homem público realmente fazia com seus pacientes, transformando-os em verdadeiras Bestas Humanas. Com o uso indiscriminado da eletroconvulsoterapia nas cobaias humanas, que eram internadas no Hospício ( Hospital Espírita de Psiquiatria Bom Retiro) em Curitiba, onde era Deus, Diretor, e Psiquiatra com direito de vida e morte sobre seus pacientes. Só em Curitiba eu tenho nomes e endereços de mais de 20 pessoas e familiares que perderam seus parentes por morte, ou ficaram inúteis pelas ações desse discípulo de Menguelle, Dr. Alô Ticoulat Guimarães.
No dia 7 de agosto de 2002 foi julgado o embargo movido pelo advogado da Editora Rocco pedindo a revisão de Cassação do Livro, não foi aceita pelo Desembargador J. Vidal Coelho que manteve a Cassação. No dia 8 de agosto de 02, acorrentei-me por uma tarde toda em frente ao Hospício Bom Retiro onde fui torturado. Saiu alguma coisinha na imprensa, mas nada que sensibilizou os donos da justiça em meu Estado natal. E agora só a opinião pública brasileira pode reverter essa Cassação de meu Livro, atos que somente na Ditadura Militar eram normal. Todos que se omitirem com essa atitude do Tribunal de Justiça do Paraná estarão sendo coniventes com todos os atos de Ditadura e Injustiça que assolaram toda uma geração de brasileiros.
É o primeiro Livro a ser Cassado após a Ditadura Militar, houve o caso do Livro da Vida do Garrincha, mas foi apenas uma questão de Direitos Autorais acertado com os familiares e tudo de resolveu. Mas o meu Livro é uma curração aos Direitos de Livre Expressão, pois todos que leram e ainda irão ler o meu Livro, verá que eu não escrevi livro algum para denegrir a imagem de médicocozinho nenhum. E sim para mostrar a realidade escondida dentro dos fétidos muros dos manicômios brasileiros, que há cem anos vem fazendo milhares de vítimas, e nunca sequer alguém teve a coragem de pedir explicações e punições aos crimes psiquiátricos praticados abusivamente dentro dos Hospitais Psiquiátricos Brasileiros.
O LIVO ? CANTO DOS MALDITOS ?
O Livro ? Canto dos Malditos ? já é indicado por algumas universidades brasileiras na área de psicologia clínica, na preparação de novos profissionais da Saúde Mental: USP, UNB, PUC Rio, FUMEC, PUC BH, UEL, FMU, NEWTON PAIVA, e outras. Originou o Filme ?BICHO DE SETE CABEÇAS ?, filme mais premiado da cinematografia brasileira, com 44 prêmios, sendo 36 prêmios nacionais e 8 prêmios internacionais. Mostrando a realidade nua e crua das nossas instituições psiquiátricas e a necessidade urgente da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Uma obra que extrapolou o seu contexto local, a presunção de qualquer pessoa mencionada na obra, e até expectativas do próprio autor. É uma obra de todos que almejam uma sociedade mais justa e feliz. ? Canto dos Malditos ? é dos adolescente que se identificam com ela, é do profissional da área da saúde, e da mãe do pai que tem um problema de drogadição na família, é do paciente que está passando por algum sofrimento mental, é do Movimento da Luta Antimanicomial que defende e Luta pela Rede de Trabalhos Substitutivos, enfim não é mais minha e sim de todos nós. Não é pieguice o
que estou escrevendo mas o que sinto nas palestras que faço e com as pessoas que converso.

03

3º PROCESSO ? DIÁRIAS DE CINCO MIL REAIS.
Estarei sendo condenado agora no mês de setembro ou no próximo mês, no processo de Nº 839/2001 na 5º Vara Cível de Curitiba, que está sendo movido contra mim pela Federação Espírita do Paraná, dona do Hospital Espírita de Psiquiatria Bom Retiro, e também pelo próprio Hospital. O médico psiquiatra Alexandre Sech, que foi meu médico no Hospital de Neuropsiquiatria do Paraná, conhecido por Hospício San Julian em Piraquara, cidade próxima de Curitiba, também está no processo. Hoje esse Alexandre Sech é diretor clínico e sua esposa a psiquiatra Madalene Sech diretora geral do Hospício Bom Retiro. Exigem que se eu mencionar o nome da Federação, Hospital e dos médicos na imprensa escrita ou falada, uma indenização diária de R$ 5.000,00 ( cinco mil reais ).
QUEREM CALAR-ME... ? Se querem o meu corpo e meu sangue o terão só no fim... ? Parte de uma letra da musica do grupo ?Cidade Negra?.
Saudações Antimanicomiais.

AUSTREGÉSILO CARRANO BUENO


Mandar e-mails, telefonemas e etc para: Presidente do Tribunal de Justiça do Paraná: Desembargador Vicente Troiano Netto:  prestj@tj.pr.gov.br - repudiando a decisão de Cassação do Livro que tem ajudado na Reforma Psiquiátrica no Brasil. E também para o Desembargador Vidal Coelho que por forças escusas deliberou a Cassação do Livro e está inflexivel na sua decisão;  gvc@tj.pr.gov.br - o Telefone dele é: (041) 3502186 é do gabinete dele. Quem puder ligar e mandar e-mails será de grande ajuda. Saudações Antimanicomiais