Quatro irmãs, Patria, Minerva, Maria Teresa e Dede Mirabal, da República Dominicana; As três primeiras são conhecidas por suas atividades políticas clandestinas contra a tirania do governo Trujillista na Republica Dominicana (1930-1961).
Na década de 40, Minerva conheceu um jovem político Péricles Franco Ornes, fundador do Partido Socialista Popular, reconhecido como anti-trujilista.
No dia 12 de outubro de 1949, em uma festa celebrada em comemoração ao descobrimento da America e com a intenção de homenagear a sociedade da província de Espaillat, as irmãs Mirabal foram convidadas pelo proprio governador e senador para participar.
Compareceram Patria e seu marido Pedro Gonzales, Minerva e Dedé e seu marido Jaime Fernandez e Don Enrique Mirabal, o pai.
Como a festa era ao ar livre, e comecou a chover muito forte, as irmãs resolveram ir embora.
Trujillo ficou bravo com a "falta de respeito"; O governor da província de Espaillat, sugeriu que Enrique mandasse uma carta de desculpas ao ditador, mas isso não acalmou Trujillo, que no dia seguinte mandou prender Dom Enrique e Minerva .
Minerva foi acusada de ser comunista, e foi intimada a escrever uma carta a Trujillo, mas ela recusou.
Depois de muito apelo dos amigos, Os 2 foram soltos.
No dia 25 de novembro de 1960, Patria, Minerva, and Maria Teresa viajaram para visitar seus maridos na cadeia.
Voltando da viajem seu caro foi parado pelos cúmplices de Trujillo.
O ditador mandou matar cada uma separadamente para assim não sentirem a execução da outra.
Forjou um suposto acidente de carro, mas todos sabiam que era o tal assassino.
Depois da morte das 3, foi o comeco da decadência do regime de Trujillo.