Lamento informar que o programa de entrevistas Palavra Cruzada, da Rede Minas (Rede Pública de Televisão), foi censurado pelo Governo Aécio Neves. O que resultou no pedido de demissão do apresentador (o jornalista que assina abaixo).

A retirada do Palavra Cruzada da programação aconteceu por exigência principalmente do ex-governador de Minas e hoje senador Eduardo Azeredo e do ex-ministro Pimenta da Veiga.

Motivo central: críticas aos governos de FHC no Planalto e de Eduardo Azeredo em Minas Gerais.

Informo ainda que poderia permanecer na Rede Minas, até com aumento na remuneração, desde que me calasse diante da censura.

Informo também que a presidente da emissora, jornalista e professora Ângela Carrato, especialmente, e o Secretário de Estado do Governo, Danilo de Castro, resistiram, ao extremo, às pressões para a retirada do programa da grade da emissora. No caso da presidente, a resistência evidenciou o risco de sua queda, o que apressou o meu pedido de demissão.

Finalmente, devo informar que, nesses mais de quatro anos no comando do programa, entrevistei políticos e especialistas das mais variadas tendências, ideologias, credos. Incluindo aí tucanos de todas as plumagens.

E que o Palavra Cruzada foi o único programa da Rede Minas, nesses anos, citado quatro vezes no Congresso ? duas na tribuna do Senado e duas na tribuna da Câmara dos Deputados (cópias anexas).

Presto estas informações em legítima defesa do exercício de minha profissão.

Gilberto Menezes
Registro Profissional: MG 01272 / Fenaj

Belo Horizonte, 14/05/2003

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ REDAÇÃO FINAL
Número Sessão: 230.4.51.O Tipo: Sessão Solene - CD
Data: 10/12/02 Montagem: Lívia

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA
REVISÃO E REDAÇÃO
SESSÃO: 230.4.51.O
DATA: 10/12/02
TURNO: Matutino
TIPO SESSÃO: Sessão Solene - CD
LOCAL: Plenário Principal - CD
HORA INÍCIO: 10h21min
HORA TÉRMINO: 11h21min

Deputado Sérgio Miranda: (...) No momento em que assistimos à evidente degradação da programação da tevê aberta, que se nivela por baixo, que busca, através de escândalos e da divulgação de fatos escabrosos, conquistar audiência fácil, homenagear a Rede Minas de Televisão é valorizar uma tevê pública que não visa ao lucro, não segue as regras do mercado, mas se volta para a informação, a cultura e a educação ? aspectos que revestem esta homenagem. O mercado da comunicação tende à concentração econômica, mas a atuação política de alguns grandes grupos econômicos capazes de influenciar a opinião pública por meio de sua programação dá tom profundamente antidemocrático à vida política brasileira. Homenagear a Rede Minas tem, portanto, esse aspecto político. Do ponto de vista pessoal, considero a Rede Minas uma organização democrática. Recentes programas dos quais participei, como o Palavra Cruzada, apresentado pelo jornalista Gilberto Menezes, tiveram enorme repercussão. Pessoas me abordavam nas ruas para comentar a entrevista, o que demonstra o grau de audiência que a Rede Minas tem. Ressalto também seu aspecto democrático, pois essa emissora cede espaço a todas as forças políticas.

Deputado Tilden Santiago: - Deputado Sérgio Miranda, quero congratular-me com o Presidente, Deputado Lincoln Portela, pela iniciativa, assim como fez V.Exa., e saudar a Rede Minas, neste momento em que a Câmara dos Deputados se reúne para homenageá-la. Também sou testemunha da ampla repercussão de diversos programas, inclusive o Palavra Cruzada, apresentado por Gilberto Menezes, do qual tive oportunidade de participar. A Rede Minas veicula matérias que destacam a cultura do povo mineiro e evidenciam sua alma, matérias muito preciosas, que levam a arte popular à sociedade.

NO SENADO

Senador Lauro Campos (...) E hoje me considero revigorado, porque estive em Belo Horizonte, na Rede Minas, no programa do jornalista Gilberto Menezes, que considero o mais competente apresentador da televisão brasileira. Não esses aí que se dizem jornalistas. Isso que se vê aí não é jornalismo. São os focas e os serão até a morte (...) 03/05/2001. Senador Lauro Campos: (...) Fala-se muito em ética, mas, até hoje, não ouvi sequer uma definição adequada para o termo. A ética, tão difícil de ser definida, orientou, passo a passo, o compasso ditado por José Maria Rabêlo, sua esposa e seus filhos. É o mesmo compasso que se encontra na Rede Minas, no programa de Gilberto Menezes, arriscando, lutando e enfrentando todas as forças reacionárias que querem manter a ética da força, do despotismo e da violência, a falsa ética da antivida, a falsa ética tanática, essa que está presente na Casa Branca, quando o sr. George W. Bush, por exemplo, ameaça sete países com a bomba atômica (...) 12/03/2002