Estupro virou 'arma de guerra', diz Anistia


Violência contra as mulheres pode ser parte de um plano deliberado
A Anistia Internacional disse que mulheres e meninas estão sendo estupradas em conflitos no mundo todo e que as autoridades fazem pouco para prevenir esses crimes.
De acordo com a organização, a violência contra as mulheres não é somente um subproduto da guerra, mas uma deliberada estratégia militar contra os inimigos.

Em um relatório chamado Lives Blown Apart (Vidas Destroçadas, em tradução livre), parte da campanha contra a violência dirigida a mulheres, a Anistia diz que esses crimes persistem porque aqueles que os cometem "sabem que ficarão impunes".

Apesar de promessas, tratados e mecanismos legais, os governos fracassam na proteção das mulheres, segundo o relatório. Mais de 30 áreas de conflito são citadas, incluindo países como Colômbia, Iraque, Sudão, Rússia (Chechênia), Nepal e Afeganistão.

Global

A secretária-geral da Anistia, Irene Khan, afirma que as mulheres são atacadas como uma maneira de afronta ao inimigo, desmoralizando os homens e fazendo com que as pessoas fujam por medo.

O relatório mostra que aquelas que sobrevivem aos atos de violência não sofrem apenas de trauma psicológico e emocional, mas também podem ter complicações na saúde e temem ser negadas pela própria família ou pela comunidade em que vivem se forem identificadas publicamente como vítimas de estupro.

Khan acrescenta que é essencial que uma das primeiras ações a serem julgadas pelo Tribunal Criminal Internacional no ano que vem seja de crimes de violência contra as mulheres.

No entanto, ela diz que somente o julgamento no tribunal não é suficiente se não houver apoio político. Khan pediu que líderes mundiais comecem a fazer mais do que apenas declarações condenando o estupro e a violência sexual.

 http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2004/12/041208_mulherescl.shtml