...
..
.


Cerca de 70 a 75 por cento de nosso negócio está relacionado à energia, servindo a clientes como Unocal, Exxon, Shell, Chevron e muitas outras entre as principais companhias petrolíferas de todo o mundo. Como conseqüência, freqüentemente nos encontramos operando em lugares muito difíceis. Nosso Senhor não achou adequado colocar petróleo e gás apenas onde há governos eleitos democraticamente e amistosos em relação aos EUA. Às vezes temos que operar em lugares onde, considerando-se todos os sinais, ninguém gostaria de trabalhar. "Mas nós vamos onde o negócio está". [1]

Dick Cheney (CEO da Halliburton, 1998)


por Juan Luis Berterretche

 http://www.resistir.info/brasil/roubo_petrobras.html

Em 21 de janeiro de 2008 a Petrobrás anunciou o achado de uma reserva gigante de gás denominada Campo de Júpiter a 37 km do mega-campo de petróleo de Tupi. O mega-campo de Tupi dispõe de uma capacidade de 90 milhões de milhões de barris de óleo equivalente (boe), medida que inclui petróleo e gás natural. Este descobrimento elevaria o Brasil à condição de terceiro ou quarto maior produtor mundial de hidrocarbonetos.

A prospecção foi realizada pelo navio-sonda NS-21, conhecido como Ocean Clipper, que pertence à empresa Diamond, na Bacia de Santos (São Paulo). Os laptops que haviam acumulado a informação da descoberta foram trasladados a terra.

Os computadores foram enviados em um contêiner que chegou ao Porto do Rio em 25 de janeiro, trazido desde a Bacia de Santos, e ali ficaram até 29 de janeiro quando um caminhão da empresa Transmagno o carregou para transportá-lo a Macaé. A distância do Rio a Macaé é de três horas pela rodovia, mas "devido a fortes chuvas" o motorista do caminhão fez uma parada em Itaboraí, onde passou a noite num posto à beira da rodovia. Depois dessa acidentada viagem, em Macaé se comprovou que os lacres do contêiner haviam sido retirados e o cadeado substituído.

A partir desse momento as informações do retirado foram contraditórios. Primeiro foi dito que havia desaparecido um notebook, logo dois, dias depois que também faltavam os discos rígidos. Hoje se sabe, pelo registro policial, que quando o técnico de manutenção Guilherme da Silva Vieira foi confirmar a carga comprovou que faltavam quatro laptops, dois discos rígidos, quatro pentes de memória com informações, outro computador, uma impressora e um gravador de DVD. Nas memórias dos aparelhos roubados estava toda a informação sobre a reserva do Campo de Júpiter.

O roubo dos dados estratégicos da estatal brasileira com informações sobre as reservas de hidrocarbonetos na bacia de Santos não é o primeiro, segundo o diretor da Associação de Engenheiros da Petrobrás (AEPET) e ex-engenheiro da área de exploração e produção da estatal, Fernando Siqueira.

"O roubo é reincidente, porque sabemos há um ano e meio que vem sendo roubados laptops na casa dos técnicos envolvidos com a Bacia de Santos. Houve assalto na casa de dois engenheiros e um geólogo de onde só levaram os laptops", informou.

Siqueira lamentou que o roubo leve 30 anos de investigação feita pela companhia numa jazida com um valor estimado em US$ 2 milhões de milhões (10 12 ), em mãos desconhecidas.

Halliburton

O de "mãos desconhecidas" seria certo se não soubéssemos que a empresa encarregada de trasladar o contêiner era a Halliburton. E que a transportadora Transmagno era uma companhia subcontratada pela mesma Halliburton.

Vejamos alguns dados esclarecedores sobre a empresa a quem Petrobrás confia sua informação sigilosa. [2]

Os principais contratos governamentais da Halliburton nos EUA se realizam com o Pentágono, por meio do Corpo de Engenheiros do Exército (ACE, por suas siglas em inglês) ou da Marinha, baixo uma modalidade conhecida como Logistics Civilian Augmentation Program (LOGCAP), um esquema de privatização ? e "mercenarismo" ? das funções de "logística" do Pentágono iniciado em 1985, que permite a milhares de firmas suprir serviços e fornecimentos como transporte, habitação, construção de prisões, preparação e distribuição de alimentos e combustível, interrogatório de prisioneiros, limpeza, lavanderia, etc., "liberando" milhares de tropas que são usadas na frente de batalha.

O LOGCAP não conseguiu grande alento senão até que Dick Cheney, atual vice-presidente dos EUA e grande embusteiro [3] , como secretário de Defesa de Bush pai, o impulsionou e generalizou em 1992 por meio de um estudo que contratou precisamente com a subsidiária da Halliburton, Kellog, Brown and Root (KBR) para determinar se os contratistas podiam fazer frente às necessidades logísticas "básicas" do Pentágono.

O estudo, classificado, conclui que um LOGCAP generalizado beneficiaria ao governo com "a vantagem" de que as empresas não estão submetidas ao código militar, por exemplo, em matéria de atrocidades ? caso dos contratistas do Pentágono na Colômbia. Em agosto de 1992 Cheney outorgou o primeiro contrato "ampliado" do LOGCAP a favor da KBR e pouco depois, em 1995, foi nomeado presidente da Halliburton. Este tráfico de influência e manejo pressuposto, Estado-empresa e de pessoal é parte do modus operandi do capital monopolista.

Em 1997 a Auditoria Geral detectou irregularidades e a Halliburton foi substituída pela DynCorp, mas manteve um contrato sem licitação por cinco anos para reconstruir os campos petroleiros do Iraque. Em 2001, com Cheney na Casa Branca, a KBR conseguiu um contrato LOGCAP por 10 anos e hoje domina 90 por cento de todo o LOGCAP no Iraque, passando de 320 milhões de dólares em junho de 2003 para 2 mil milhões em setembro deste ano. Segundo Lolita Baldor, da AP, entre 2003 e 2004 a Halliburton realizou contratos no Iraque estimados em 10,7 mil milhões, sem incluir outros LOGCAP da KBR em dezenas de países como a construção das prisões em Guantánamo e Afeganistão. A Halliburton está submetida a "auditorias" e detectam-se copiosas anomalias ("subornos" por atacado, cobrança de 10 mil refeições diárias que não se serviram, sobrepreço na gasolina para o Exército, uso de alimentos com um ano de vencimento, etc). Ainda assim, a imprensa informa que em julho de 2005 o Exército atribuiu 5 mil milhões a Halliburton para o apoio logístico das tropas no Iraque até julho de 2006, um aumento de mil milhões pelos mesmos serviços. [3]

Até janeiro de 2006 a Halliburton obteve o montante de 16 mil milhões de dólares em contratos para "reconstruir" o Iraque.

Em março de 2007 a empresa Halliburton com sede central em Houston, Texas, anunciou que se mudava para os Emirados Árabes Unidos, concretamente na cidade de Dubai, onde imperam descontraídas e muito liberais taxas impositivas e cômodas leis de residência. Desta forma pretende evitar os juízos nos EUA. contra os não cumprimentos de contratos e as fraudes.

Em 2007 acumularam-se múltiplos casos de fraude cometidos por empregados das empresas privadas na adjudicação de contratos na erroneamente chamada reconstrução do Iraque. Os mais notórios da Halliburton. Mas há indícios de que a corrupção endêmica implica cada vez mais oficiais das forças armadas dos EUA. Em julho de 2007, deflagrou o escândalo do comandante John Cockerham, encarregado de contratação e compras da base do exército de Fort Sam em Houston (Texas). Cockerham e sua esposa Melissa foram detidos e acusados de receberem subornos de mais de 15 milhões de dólares na adjudicação de vários contratos, desde o fornecimento de água engarrafada até os serviços de lavanderia para as tropas dos EUA no Iraque e Kuwait. Um destes contratos por fornecimento de água foi adjudicado à empresa kuwaitiana de transporte Green Valley em troca de 175 mil dólares. Após ser empacotado em bolos de notas dentro de maletas, o dinheiro foi depositado num banco do Oriente Médio e dali ao paraíso fiscal em Barbados.

Na mesma semana o ex-comandante do exército John Allen Rivard, outro oriundo do Texas, declarou-se culpado de suborno, lavagem de dinheiro e conspiração enquanto exercia a máxima responsabilidade de contratação de serviços e fornecimentos para a base militar estadunidense de Camp Anaconda, no Iraque. Uma empresa com sede em Dubai pagou subornos a Rivard por contratos avaliados em 20 milhões de dólares relacionados com o fornecimento de tratores, equipamentos elétricos e moradias pré-fabricadas para as tropas estadunidenses.

Anthony Martin, de Houston, confessou que havia adjudicado dois contratos a uma empresa de transporte kuwaitiana em troca de 50.000 e 150.000 dólares. Martin incorpora-se a uma longa lista de empregados da Halliburton seduzidos pelo suborno. Alex Mazan, diretor da Halliburton de Atlanta, responsável pela adjudicação de contratos para o transporte de combustível, aumentou o custo de um contrato assinado a uma empresa kuwaitiana e embolsou um milhão de dólares. A principal empresa de transporte kuwaitiana que se havia beneficiado de contratos com o exército estadunidense é a PWC. Assim mesmo, Stephen Seamans, outro diretor de contratação da Halliburton, recebeu subornos de uma firma paquistanesa.

Estes subornos são tostões comparados às fraudes da transnacional. Segundo auditores governamentais, houve gastos de 1.000 milhões de dólares sem justificar no mega contrato LOGCAP adjudicado sem concurso à Halliburton em 2003.

Esta é a eficiente empresa na qual a Petrobrás confia a informação confidencial de uma riqueza que pertence a mais de 180 milhões de brasileiros.

O interrogatório aos possíveis envolvidos no roubo não é mais que uma en cenação. A informação que realmente interessa é quem é o responsável na Petrobrás pela contratação da empresa pirata Halliburton e quanto recebeu por isso.

Todo o resto é resultado dessa traição ao país.
Notas
1- Tyler Marshall, High stakes in the Caspian Los Angeles Times 23 de fevereiro de 1998. Richard B. Cheney, Defending liberty in a global economy, discurso pronunciado na Conferência sobre Danos Colaterais no Cato Institute, 1998. Cato Institute é uma instituição liberal.
2- Juan L.Berterretche e Tali Feld Gleiser Réquiem para el sueño americano Livro em preparação.
3- Oito funcionários chave do governo dos Estados Unidos, incluindo o presidente George W. Bush, realizaram pelo menos 953 declarações falsas nas vésperas e depois da invasão do Iraque em março de 2003. Assim indica uma investigação que acaba de publicar na capital estadunidense o Centro para a Integridade Pública e que dirigiu Check Lewis, fundador desta organização. Entre os investigados figuram Bush, o vicepresidente Dick Cheney e quem então encabeçavam o Departamento de Estado (chancelaria) Colin Powell, e o de Defesa, Donald Rumsfeld, assim comoa ex conselhera de Seguridade Nacional e atual secretária de Estado (chanceler), Condoleezza Rice, e o ex-subsecretário de Estado Paul Wolfowitz. A lista se completa com os hoje exportavozes da Casa Blanca Ari Fleischer e Scott McClellan.
4- John Saxe-Fernández Halliburton Irak y Katrina, La Jornada, Ciudad de México, 15 de setembro de 2005,  http://www.jornada.unam.mx/

Ver também:
# Petrobrás: fechemos as nossas portas

 http://www.correiocidadania.com.br/content/view/1492/47/




# AEPET: Roubo é mais um motivo para se cancelar os leilões

 http://www.aepet.org.br/index.php?2YjMzcjNwEjM10zbkVXZ052bj9FZpZSM98GZ1VGdu92Yf9GcpRnJ39Gaz91bkVXZ052bj1jbvlGdjFmJvRWdlRnbvN2Xk5WZ052byZWPlN3chx2Y5kjM4kjM




O original encontra-se em  http://www.desacato.info/ Tradução de Vanessa Bortucan.


Este artigo encontra-se em  http://resistir.info/ .