Mais de 70 barracos foram removidos pela Guarda municipal de uma área da prefeitura de Curitiba na *Rua Lauro Schereber*, no *Bolsão Sabará*, na Cidade Industrial, na manhã deste domingo (20). Cerca de 200 famílias ocuparam o terreno, um campo de futebol, em protesto contra a demora da *Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab)* na contemplação de inscrições feitas há seis anos.

Expulsos, adultos e crianças se organizaram em uma área ao lado, que pertence à Curitiba S.A. Ergueram novas lonas e montaram uma cozinha coletiva. Seis viaturas da Guarda Municipal fazem a segurança do terreno desocupado por duas vezes desde sábado e guardas fortemente armados e com escudos observam de longe a movimentação do grupo. Segundo a assessoria da prefeitura, os guardas serão mantidos para que o local não seja mais invadido. Cohab, Guarda Municipal e governo estão acompanhando o caso. Na tarde desta segunda-feira, nenhum representande da Cohab esteve no local.

*Desrespeito*

Para as famílias, que moram no entorno do Bolsão Sabará, a situação é insustentável. O grupo não tem liderança, mas Tatiane Linhares, 24 anos, diz que já foi feito o cadastro de 213 famílias. De acordo com ela, todas vivem de aluguel ou moram de favor na casa de parentes.

Tatiane é casada e mora na Vila Conquista. Paga R$ 350 de aluguel, mais água e luz, e espera que o cadastro feito há seis anos na Cohab seja contemplado. ?Queremos uma resposta e uma solução?, afirma.

Outros moradores dizem que não deixarão a área. A primeira ocupação no campo de futebol ocorreu no início da noite de sábado. ?Eles foram embora e nós voltamos. Hoje, os guardas retornaram e nos tiraram de lá. Removeram as lonas e colocaram fogo?, conta. Alguns moradores dizem que foram ameaçados pelos guardas.

Segundo a Guarda Municipal, a retirada dos barracos e das famílias foi feita de forma pacífica. Segundo o supervisor Carlos Oliveira, da regional da CIC, os guardas permanecerão na área enquanto houver pessoas no local.