Segundo o coronel Sérgio Moretti, comandante da operação do Corpo de Bombeiros, o problema em um hidrante próximo ao Morro [ver foto] foi solucionado com o acesso a outros hidrantes próximos, porém, em conversa filmada entre funcionários da Sabesp e bombeiros, não havia água em um raio de 500 metros. ?A Sabesp tem fechado a água aqui na região do Campo Belo depois das 22h? dizia um dos bombeiros sem ter o que fazer para combater o fogo que já durava 2h. A solução encontrada era abastecer os 37 caminhões utilizados na operação a uma distância de 8km do Morro do Piolho.

Segundo a Defesa Civil cerca de 600 famílias ficaram desalojadas e o resultado foi o que a especulação imobiliária mais queria: 90% do Morro do Piolho foi incendiado. Segundo informações do Fogo no Barraco a valorização do metro² na região cresceu de R$3.200 em 2008 para R$9.500 em 2014.

Não foi a primeira vez que a comunidade sofreu com um incêndio. Ano passado um incêndio de menor proporção atingiu a comunidade e já havia sido constatado o problema nos hidrantes da região. Na época o Corpo de Bombeiros encaminhou um relatório ao Ministério Público e a Sabesp realizou a troca de alguns hidrantes, porém, o Corpo de Bombeiros não tem acesso a esse novo sistema de hidrante.