Isso, se confirmado, levará a Petrobrás a sofrer pesadas multas! Na realidade, com isso o Lava jato prejudica o Brasil e favorece os estrangeiros, já que o acionista majoritário da Petrobrás e a União.

Primeiro é o absurdo de permitir que americanos se envolvam na justiça interna brasileira, justamente numa operação que envolve nosso petróleo, cobiçado incansavelmente pelos americanos. Os americanos arrumam guerras no mundo todo atrás do ouro negro até porque suas reservas só são suficientes para dois anos! Aliás, no Brasil, nem precisa de guerra, pois os estrangeiros estão sendo ajudados, e muito, pela nossa mídia e pela operação Lava Jato, que fazem de tudo para desmoralizar e destruir a Petrobrás.

Essas pessoas que se dizem brasileiras enganam o povo dizendo que a ação da Petrobrás foi diminuída pela corrupção, quando na verdade é que a queda da ação da Petrobrás é resultado uma sabotagem do governo Americano e da Arábia Saudita que aumentaram a oferta de petróleo no mercado internacional, fazendo o preço do barril do petróleo cair de US$ 100 para US$ 40.

Nenhum analista nacional ou internacional apostava nessa queda! Muito pelo contrário, todos afirmavam que não aconteceriam novas descobertas substanciais e que, por conta disso, o preço do barril de petróleo não baixaria a casa dos US$ 100. Se fosse a corrupção, tudo já estaria sendo resolvido, pois o pessoal está sendo preso e os bens devolvidos!

Ao invés de chamar os procuradores americanos, o Brasil deveria mandar procuradores brasileiros aos EUA e à Arábia Saudita para apurar essa possível sabotagem. Mas lá eles são nacionalistas, não deixariam jamais que entrássemos lá para prejudicar seus países. Ao contrário de nossos ?brasileiros?.
FHC, tucano, tentou privatizar a Petrobrás, com a ajuda de nossa mídia entreguista. Também em 2009, o Wikeleaks denunciou o então e candidato tucano (sempre o PSDB entreguista) à presidência José Serra de tentar favorecer a petroleira americana Chevron, caso ganhasse a eleição. Serra perdeu e agora está com PLS 131/15 novamente tentando prejudicar a Petrobrás e favorecer petroleiras estrangeiras em especial a Chevron. Os americanos, de um jeito ou de ouro, não desistem de nosso petróleo!

A cooperação internacional é importante, principalmente para apurar crimes de corrupção como os da Petrobrás, Zelotes, Swissileaks, Fifa etc. Mas no caso da Petrobrás e dos procuradores americanos, a operação Lava Jato está oficializando a espionagem.
Não é à toa que o Congresso Nacional, considerado o mais reacionário da história, quer homenagear o juiz Sérgio Moro!

Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2015

Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).

 http://emanuelcancella.blogspot.com.