Levou only ten minutes to the small community of Bento Rodrigues, district of the mining town of Mariana, be wiped out on day 5 November. More than 40 billion liters of mud formed a tsunami when the dam of Samarco mining, where is stored the tailings of the iron ore extraction, collapsed. After 12 hours, the mud came in the town of long bar, some 80 kilometers away, reaching up to the ceiling of the houses in its path. The mud followed by the Rio Doce, bringing death and devastation by more than 500 km to the sea. Thirteen bodies have been found so far-the majority of mining workers and 11 are still missing. The effects to the environment are still untold. The mud destroyed riparian vegetation protecting the River, killed fish and caused irreparable damage to vegetation at the mouth of the Rio Doce, which is an important breeding ground for various species, and also threat to life at sea. This coastal area is spawning area of the leatherback turtle, the largest species of turtle that exists and that it is threatened with extinction. November is the peak of the spawning of species and an entire generation is threatened. Every hard rain, a new batch of mud will reach the river and the sea. "There are animal and plant species may be extinct there as of today," says biologist André Ruschi, which considers that the case was the "murder of the fifth largest Brazilian water basin". It will take dozens or even hundreds of years for nature to recover the effects of the disaster. The area covered in mud "will become a desert of mud", as told Maurice Ehrlich, professor of Geotechnical Engineering from Coppe-UFRJ the Folha de Sao Paulo. Some effects are irreversible, as the silting up of the river stretches and extinction of species. Members of Indian ethnicity krenak blocked the Vale railway linking victory to Minas Gerais, on 13 November, in protest against the death of the River, of which depend for their livelihood. The water supply was interrupted to hundreds of thousands of inhabitants. The city of Governador Valadares, with 278 1000 inhabitants, have water supply to the whole city after only twelve days. The federal Government was slow to act. The President Rousseff flew over the devastated area just after a week. But the Government now recognizes that this is the biggest environmental disaster in the country's history. This tragedy has guilty: the mining company Samarco; the political system, which acts in the service of the large mining companies that finance their election campaigns; and the economic system, capitalism, that puts profits above all. The path of catastrophe The company Samarco is controlled by the two largest mining companies in the world: the anglo-Australian BHP Billiton and Vale. You just becomes the largest if you get the higher profits-so the environment and the local population were never factors of great importance for these companies. Despite the fall in the price of iron ore, Samarco has maintained a high profit. In 2014 the profit was R$2,8 billion on a turnover of R $ 7,5 billion, a level of profitability that almost only found in banks. The company exports to 20 countries and is the tenth largest exporter of Brazil. The extraction of ore tailings (i.e., the mud made up of the chemicals used to separate iron from the rock) is stored in the cheapest way possible, in gigantic dams. There are hundreds of those across the country, with little inspection to ensure their safety. The National Department of Mineral production, linked to the Ministry of mines and energy, had until November that year used only 13.2% of the resources referred to in the programme of surveillance of mine activities, on the grounds of "contingency" and the fiscal crisis in the country. Samarco has dams to reject that same mine. That broke was the Fundão dam, with a capacity of 55 billion liters, but that was in the process of expanding its capacity. Its contents went over the dam, located just below. Both had received a license renewal in 2013, although a study commissioned by prosecutors indicated serious security risks. After the breakup, Samarco continued to assert that the dams of Santarém and Germano (dam next to the other, who is disabled, but still full of mud) were safe. Just two weeks after the disaster admitted that these dams are also at risk of collapse and undergo emergency works. A serious problem in day 5 of November was the fact that Samarco didn't have a audible alarm system that could have warned the inhabitants of Bento Rodrigues, which is only 2.5 kilometers of dams. A system was installed just after the breakup. In 2009 the company had budgeted a system, but abandoned the plans to save money. The power of mining companies The mining companies have great influence on the Brazilian political system historically. That looks at all levels. Three parliamentary committees will investigate the disaster: the National Congress and the legislative assemblies of Minas Gerais and Espírito Santo. In all, parliamentarians if elected with money from mining companies. There is also a Commission in the Chamber of deputies that is discussing a new Mining Code to replace the old, 1967. You can expect the same outcome from the forest code. Of the 21 members of the Commission, 11 have been banked by mining companies. The Rapporteur of the Committee, Leonardo Quintão (PMDB-MG) received R$1,8 million of the miners for their electoral campaign in 2014. After the disaster, the Commission had to ease your project and include some items to increase the safety of mines. Deleted article 119, which subjected to federal review "the creation of any activity that has the potential of preventing mining activity". It would affect any demarcation of indigenous lands and quilombolas or creation of areas of environmental protection. But the text is still a throwback. For example, does not determine the requirement of more mining companies prevent air pollution and protect water sources. Instead of talking about preservation, speaks of "recovery of impacted areas. The new code also describes how law of mining companies "to use the waters necessary for concession operations". If there is a mine, the right to pollute the water comes automatically! At the State level, on November 25 was approved the law 2946/15 by Governor Fernando Pimentel (PT), which makes easier the process of environmental licensing. The project was forwarded in emergency regime in October to the Legislative Council of Minas Gerais and received much criticism for reducing the environmental protection. Finally, we see how local level municipalities often are hostages of the mining companies. The Mayor of Mariana Duarte Jr. (PPS), took office this year after the Mayor-elect, Celso (PSDB) Quota have been deposed for administrative misconduct. Duarte Jr. argues that Samarco will keep the production at any cost. "If you close the mining, will have to close because 80%, of the city's economy depends on it," he says. We are reaping the fruit of the private exploitation of natural resources that aims to generate profits for a small elite. So it was a criminal privatization of Vale by FHC in 1997. Financially it was a theft of public assets. The Valley was sold by R$3,3 billion, what it profits in 1 or 2 months. But it was more criminal still why put natural resources at the service of private profit. Who's going to pay? According to the Center for Science in Public Participation of Australia, which registers disruptions of dams of this size since 1915, this is the biggest catastrophe of tailings dam break in history. Is 40 times greater than the disruption in Hungary in 2010, for example, that had great impact. Samarco has been fined R$250 million by Ibama, but the question is how much will be paid to truth. Only 8.7% of the fines imposed by Ibama between 2010 and 2014 were actually paid. The rest is stalled in the bureaucracy, parceled indefinitely or simply ignored waiting an amnesty agreement. In addition to the fines, Samarco made a deal with prosecutors to pay $ 1 billion initially to the rescue work, support the families displaced, soften the effects of the mud and start the process of reform and recovery. This is totally insufficient. Judge Frederico Gonçalves, Mariana, had determined the $ 300 million lockout of the account of the mining company, on March 11, for which the value was employed in repairing the damage caused to the victims of the breaking of the dam. But, according to the judge, Justice found only about of R$8 million in the company's accounts. "In other words, in Portuguese, of course: the required disappeared with the money, though, on 31 December 2014, in your case more than 2 billion dollars," said the judge, according to the Folha de Sao Paulo, "as corner pub". The federal Government announced on Friday (27) that will move a public civil action against the Company and its controlling shareholders, Vale and BHP, to let justice determine the creation of a $ 20 billion Fund for the repair of data caused by the breaking of the dam. It is quite possible that this is not enough. Comparisons were made with the explosion of the BP oil rig in the Gulf of Mexico 2010, which killed 11 workers and led to a massive oil spill. BP recently made an agreement raises the total of fines, damages and sanitation to more than $ 200 billion. Measures to tackle the root of the problem We can't trust measures implemented by Governments and politicians financed by mining companies. The first step should be the establishment of a popular independent inquiry committee, with representatives of social movements, trade unions, the population of the affected region, of indigenous peoples, which may also include researchers at public universities, which are already mounting a parallel Commission with representatives of Unesp, Unifesp and other public universities. Those responsible must be punished with confiscation of their goods. Workers must be guaranteed job stability and the families affected, full compensation for the loss of assets and income. A plan aiming at the total recovery of damages must be traced. These resources must come from the mining companies. Samarco and the Valley have to be nationalised and placed under democratic workers ' control and management. Natural resources cannot be treated as private property to generate profits at the expense of the environment and workers. We have to break away from the logic of the capitalist market. All extraction has to be made from a democratic plan that ensures the conservation of the environment and local people's right of veto. http://www.lsr-cit.org/destaque/1387-quem-e-culpado-pela-catastrofe-em-mariana Quem é culpado pela catástrofe em Mariana? Marcus Kolbrunner - 28 de novembro de 2015 Levou só dez minutos para a pequena comunidade de Bento Rodrigues, distrito da cidade mineira de Mariana, ser varrida do mapa no dia 5 de novembro. Mais de 40 bilhões de litros de lama formaram um tsunami quando a barragem da mineradora Samarco, onde é armazenado o rejeito da extração de minério de ferro, desmoronou. Depois de doze horas, a lama chegou na cidade de Barra Longa, uns 80 quilômetros de distância, atingindo até o teto das casas no seu caminho. A lama seguiu pelo Rio Doce, levando morte e devastação por mais de 500 quilômetros até o mar. Treze corpos foram encontrados até agora - a maioria de trabalhadores da mineradora - e onze ainda estão desaparecidos. Os efeitos para o meio ambiente ainda são incalculáveis. A lama arrasou a mata ciliar que protege o rio, matou peixes e a vegetação, causou danos irreparáveis na foz do Rio Doce, que é um importante criadouro de várias espécies, e ameaça também a vida no mar. Essa zona costeira é área de desova da tartaruga-de-couro, a maior espécie de tartaruga que existe e que está ameaçada de extinção. Novembro é o pico da desova da espécie e uma geração inteira está ameaçada. A cada chuva forte, uma nova leva de lama vai chegar ao rio e ao mar. ?Há espécies animais e vegetais ali que podemos considerar extintas a partir de hoje?, diz o biólogo André Ruschi, que considera que o caso foi o ?assassinato da quinta maior bacia hidrográfica brasileira?. Levará dezenas ou até centenas de anos para a natureza recuperar os efeitos da catástrofe. A área coberta de lama ?vai virar um deserto de lama?, como disee Maurício Ehrlich, professor de geotecnia da Coppe-UFRJ à Folha de São Paulo. Alguns efeitos são irreversíveis, como o assoreamento de trechos do rio e extinção de espécies. Integrantes da etnia indígena krenak bloquearam a ferrovia da Vale que liga Vitória a Minas Gerais, no dia 13 de novembro, em protesto contra a morte do rio, do qual dependem para seu sustento. O fornecimento de água foi interrompido para centenas de milhares de habitantes. A cidade de Governador Valadares, com 278 mil habitantes, voltou a ter fornecimento de água para a cidade inteira somente após doze dias. O governo federal demorou a agir. A presidenta Dilma sobrevoou a área devastada só depois de uma semana. Mas o governo, agora, reconhece que se trata da maior catástrofe ambiental da história do país. Essa tragédia tem culpados: a mineradora Samarco; o sistema político, que age a serviço das grandes mineradoras que financiam suas campanhas eleitorais; e o sistema econômico, o capitalismo, que coloca o lucro acima de tudo! A caminho da catastrophe A empresa Samarco é controlada pelas duas maiores mineradoras do mundo: a anglo-australiana BHP Billiton e a Vale. Você só se torna a maior se conseguir os maiores lucros - por isso o meio ambiente e população local nunca foram fatores de grande importância para essas empresas. Apesar da queda do preço do minério de ferro, a Samarco tem mantido um alto lucro. Em 2014 o lucro foi de R$2,8 bilhões em cima de um faturamento de R$7,5 bilhões, um nível de lucratividade que quase só se encontra nos bancos. A empresa exporta ferro para 20 países e é a décima maior exportadora do Brasil. O rejeito da extração do minério (ou seja, a lama composta pelos produtos químicos utilizados para separar o ferro da rocha) é armazenado da maneira mais barata possível, em gigantescas barragens. Existem centenas dessas espalhadas pelo país, com pouca inspeção para garantir sua segurança. O Departamento Nacional de Produção Mineral, ligado ao Ministério de Minas e Energia, tinha até novembro desse ano utilizado somente 13,2% dos recursos previstos no programa de fiscalização das atividades minerárias, em razão do ?contingenciamento? e da crise fiscal do país. A Samarco possui várias barragens para o rejeito daquela mesma mina. A que rompeu foi a barragem de Fundão, com uma capacidade de 55 bilhões de litros, mas que estava em processo de ampliar sua capacidade. Seu conteúdo passou por cima da barragem de Santarém, localizada logo abaixo. Ambas tinham recebido uma renovação da licença em 2013, apesar de haver um estudo encomendado pelo Ministério Público que apontava sérios riscos de segurança. Depois do rompimento, a Samarco continuou a afirmar que as barragens de Santarém e de Germano (barragem ao lado das outras, que está desativada, mas ainda cheia de lama) eram seguras. Só duas semanas depois da catástrofe admitiram que essas barragens também estão sob risco de desmoronamento e passam por obras emergenciais. Um problema grave no dia 5 de novembro foi o fato de que a Samarco não tinha um sistema de alarme sonoro que poderia ter alertado os habitantes de Bento Rodrigues, que fica a apenas 2,5 quilômetros das barragens. Um sistema foi instalado só depois do rompimento. Em 2009 a empresa tinha orçado um sistema, mas abandonou os planos para poupar dinheiro. O poder das mineradoras As mineradoras têm grande influência no sistema político brasileiro historicamente. Isso se vê em todos os níveis. Há três comissões de parlamentares que vão investigar a catástrofe: do congresso nacional e das assembleias legislativas de Minas Gerais e Espírito Santo. Em todas, há parlamentares que se elegeram com verba das mineradoras. Há também uma comissão na Câmara de Deputados que está discutindo um novo Código de Mineração para substituir o antigo, de 1967. Pode-se esperar o mesmo desfecho daquele do Código Florestal. Dos 21 deputados da comissão, 11 foram bancados por mineradoras. O relator da comissão, Leonardo Quintão (PMDB-MG), recebeu R$1,8 milhões das mineradoras para sua campanha eleitoral em 2014. Após a catástrofe, a comissão teve que amenizar o seu projeto e incluir alguns itens para aumentar a segurança das minas. Foi excluído também o artigo 119, que submetia à avaliação federal ?a criação de qualquer atividade que tenha potencial de impedimento da atividade de mineração?. Isso afetaria qualquer demarcação de terras indígenas e quilombolas ou criação de áreas de proteção ambiental. Mas o texto ainda é um retrocesso. Por exemplo, não determina mais a obrigatoriedade das mineradoras evitarem a poluição do ar e protegerem fontes de água. Ao invés de falar de preservação, fala de ?recuperação de áreas impactadas?. O novo código descreve também como direito das mineradoras ?usar as águas necessárias para operações da concessão?. Se existe uma mina, o direito de poluir a água vem automaticamente! Em nível estadual, no dia 25 de novembro foi aprovada a lei 2946/15, de autoria do governador Fernando Pimentel (PT), que torna mais fácil o processo de licenciamento ambiental. O projeto foi encaminhado em regime de urgência em outubro à Assembleia Legislativa de Minas Gerais e recebeu muitas críticas por diminuir a proteção ambiental. Finalmente, vemos como em nível local os municípios muitas vezes são reféns das mineradoras. O prefeito de Mariana, Duarte Jr. (PPS), assumiu o cargo esse ano após o prefeito eleito, Celso Cota (PSDB) ter sido deposto por improbidade administrativa. Duarte Jr. defende que a Samarco mantenha a produção a qualquer custo. ?Se fechar a mineração, vai ter que fechar Mariana, pois 80% da economia da cidade depende disso?, diz ele. Estamos colhendo o fruto da exploração privada dos recursos naturais que tem como objetivo gerar lucros para uma pequena elite. Por isso, foi criminosa a privatização da Vale por FHC em 1997. Financeiramente foi um roubo do patrimônio público. A Vale foi vendida por R$3,3 bilhões, o que ela hoje lucra em 1 ou 2 meses. Mas foi mais criminosa ainda por que colocou os recursos naturais a serviço do lucro privado! Quem vai pagar? Segundo o Centre for Science in Public Participation da Austrália, que registra rompimentos de barragens desse porte desde 1915, essa é a maior catástrofe de rompimento de barragem de rejeitos da história. É 40 vezes maior que o rompimento na Hungria em 2010, por exemplo, que teve grande repercussão. A Samarco já foi multada em R$250 milhões pelo Ibama, mas resta saber quanto vai ser pago de verdade. Somente 8,7% das multas aplicadas pelo Ibama entre 2010 e 2014 foram realmente pagas. O resto é protelado na burocracia, parcelado indefinitivamente ou simplesmente ignorado esperando um acordo de anistia. Além das multas, a Samarco fez um acordo com o Ministério Público de pagar inicialmente R$1 bilhão para o trabalho de resgate, sustentar as famílias desalojadas, amenizar os efeitos da lama e começar o processo de saneamento e recuperação. Isso é totalmente insuficiente. O juiz Frederico Gonçalves, de Mariana, havia determinado o bloqueio de R$300 milhões da conta da mineradora, no último dia 11, para que o valor fosse empregado na reparação dos danos causados às vítimas do rompimento da barragem. Mas, de acordo com o juiz, a Justiça só encontrou cerca de R$8 milhões em contas da empresa. "Em outras palavras e em português claro: a requerida sumiu com o dinheiro, embora, em 31 de dezembro de 2014, tivesse em seu caixa mais de 2 bilhões de reais", disse o juiz segundo a Folha de São Paulo, ?como se fosse botequim de esquina?. O governo federal anunciou nesta sexta-feira (27) que vai mover uma ação civil pública contra a Samarco e suas controladoras, a Vale e a BHP, para que a Justiça determine a criação de um fundo de R$20 bilhões para a reparação dos dados causados pelo rompimento da barragem. É bem possível que isso não seja suficiente. Foram feitas comparações com a explosão da plataforma de petróleo da BP em 2010 no Golfo do México, que matou onze trabalhadores e levou a um enorme vazamento de petróleo. A BP fez recentemente um acordo que eleva os gastos totais de multas, indenizações e obras de saneamento a mais de R$200 bilhões. Medidas para atacar a raiz do problema Não podemos confiar em medidas implementadas por governos e políticos financiados pelas mineradoras. A primeira medida deve ser o estabelecimento de uma comissão de inquérito popular independente, com representantes dos movimentos sociais, sindicatos, da população da região afetada, dos povos indígenas, que também possa incluir pesquisadores das universidades públicas, que já estão montando uma comissão paralela com representantes da Unesp, Unifesp e outras universidades públicas. Os responsáveis devem ser punidos, com confisco dos seus bens. Aos trabalhadores, deve ser garantida estabilidade de emprego e, às famílias afetadas, plena indenização pela perda de bens e renda. Um plano visando a total recuperação dos danos deve ser traçado. Esses recursos tem que vir das mineradoras! A Samarco e a Vale têm de ser estatizadas e colocadas sob controle e gestão democrática dos trabalhadores. Recursos naturais não podem ser tratados como propriedade privada para gerar lucro em detrimento do meio ambiente e dos trabalhadores. Temos que romper com a lógica do mercado capitalista. Toda extração tem que ser feita a partir de um plano democrático, que garanta a conservação do meio ambiente e com direito de veto da população local. http://www.lsr-cit.org/destaque/1387-quem-e-culpado-pela-catastrofe-em-mariana