A reconstrução da indústria ferroviária brasileira (GGN 14/12)
O assunto foi abordado no 64º Fórum de Debates Brasilianas.org, pelo presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER), Vicente Abate:
?? Depois de atingir seu auge, na década de 70, a indústria ferroviária brasileira amargou duas décadas de desmanche. Nos anos 80, se retraiu fortemente. E nos anos 90 já praticamente não existia. Foi a partir dos anos 2000 que começou a ensaiar uma retomada. Em 2003, o lançamento do Plano de Revitalização das Ferrovias sinalizou o interesse do setor público em priorizar a expansão da malha e a recuperação da indústria ferroviária..A partir daí, a indústria voltou a investir na criação de novas fábricas e ampliação e modernização das antigas. Entre isso e treinamento de mão de obra, foi investido R$ 1,5 bilhão de 2003 a 2013. Assim, a produção de vagões de carga e locomotivas voltou a crescer. E novas tecnologias puderam ser desenvolvidas em território nacional. ?
Comentário do autor, Emanuel Cancella: A matriz de transporte ferroviária é considerada, no mundo, a melhor. Isso por apresentar maior capacidade de transporte de passageiros e carga, ser menos poluente, mais segura e ter custos de manutenção menores. Entretanto, o transporte sobre trilho sofre uma oposição ferrenha das montadoras de carro e caminhão, dos fabricantes de pneus, dos empreiteiros construtores de estradas e responsáveis por asfalto e dos donos de pedágios. Essa oposição tem forte lobby, inclusive no Congresso Nacional, como o senador tucano José Serra na Folha de 06/12/2014 que disse merecer ?medalha? por ter atuado contra o trem-bala!

Agência de Risco
A agência Moody?s ameaçou e agora a Agência Fitch Rating rebaixa a nota do Brasil por conta da notícia da saída do ministro Joaquim Levy do Governo. Essas agências de riscos caíram no descrédito quando davam nota AAA ( grau máximo de investimento) aos EUA, em 2008, justamente na maior quebradeira americana da história. Se a queda da nota da agência foi por conta da notícia da saída do Levy: Nota dez para a Dilma!

Será que começou a retomada do crescimento?
Varejo surpreende com alta de 0,6% em outubro, após 8 meses de queda! A expectativa de economistas, consultados pela agência internacional Bloomberg para o período, era de queda de 1,1%.

Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 2015

OAB/RJ 75 300


Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).

 http://emanuelcancella.blogspot.com.