Em matéria intitulada "A Marcha Inexorável do Impeachment", Hélio Gurovitz tem pressa em que o STF decida logo a ação proposta pelo PCdoB, a fim de que a marcha não do processo de impeachment, mas do próprio impeachment não seja retardada, pois se o STF retardar tal marcha, ficará com a 'batata quente' do impeachment nas mãos durante o recesso e, nesse caso, - ameaça -, a reação popular seria imprevisível.

Eis o que diz o Colunista pena-paga do Clã Midiático Marinho:

"Desta vez, contudo, é do interesse de todos eles resolver a questão rapidamente. Se ficar com a "batata quente" do impeachment na mão durante o recesso, o STF será acusado de protelar um processo cuja resolução é essencial para a nação e de servir ao interesse do Executivo. Se isso acontecer, será imprevisível a reação popular ou do Congresso. Para o governo, contudo, também não é um cenário dos mais favoráveis, pois acrescentará, a todos os fatores que já dificultam sua posição, mais um: a acusação de ter manobrado para barrar o processo no Supremo."

 http://g1.globo.com/mundo/blog/helio-gurovitz/post/marcha-inexoravel-do-impeachment.html

Bem, se a reação popular for como a do dia 13 de dezembro, ela será ridícula. Se for como a de março deste ano, ela será menos ridícula mas será, de qualquer forma, insuficiente para influenciar nos rumos do processo de impeachment, porque mesmo em março, apenas a minoria parasitária privilegiada foi às ruas em favor do golpe. A reação da minoria privilegiada, a qual chega no máximo a 1% da população, não é suficiente para derrubar um governo legitimamente eleito, como fizeram em 64, sem a ajuda dos EUA e da força bruta. Portanto, o STF não deve se deixar levar pelas ameaças ocas do Gurovitz nem pela pressão das ruas, mormente de 1% da população, constituída de parasitas sociais.

O STF ficou com a 'batata quente' do Eduardo Cunha nas mãos durante o recesso, mas o Jornalista da Globo não se indignou nem previu a imprevisível reação popular por causa disso. Pelo menos não o fez até agora. Pode ser que se manifeste por causa da pressão popular.

 http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/stf-adia-para-fevereiro-decisao-sobre-afastamento-de-eduardo-cunha-7sb1pmpryqkdswnhi6p2dvlqu?ref=aba-ultimas