Desde o ano passado, mais de 220 mil professores da rede pública estadual paulista passaram a receber em suas casas, sem ter solicitado, publicações periódicas do Grupo Abril, o mesmo que faz a semanal de ficção Veja. Entre os títulos entregues em domicílio, destacam-se as revistas Nova Escola e Recreio. A compra de centenas de milhares de assinaturas dessas publicações foi feita pela FDE - Fundação para o Desenvolvimento da Educação - da Secretaria de Educação estadual.

Os contratos podem ser encontrados no Diário Oficial do Estado, e em nenhum deles foi aberto o devido processo licitatório. Um deles pode ser visto no link: http://www.imprensaoficial.com.br/PortalIO/DO/BuscaDO2001Documento_11_4.aspx?link=/2008/executivo%20secao%20i/outubro/25/pag_0019.pdf&pagina=19&data=25/10/2008&caderno=Executivo%20I/

Também no ano passado, veio à tona uma astronômica compra de 415 mil exemplares do Guia do Estudante, além de uma outra revista de atualidades, com a chancela de Veja, voltada aos estudantes do Ensino Médio, igualmente ao arrepio da Lei 8.666/93 (veja o texto desta Lei no link: http://www.comprasnet.gov.br/legislacao/leis/lei8666.pdf/

Como agravante destas trapaças tucanas, há o fato de que o governo estadual violou a privacidade de seus funcionários ao ceder informações pessoais, como endereço residencial, a um grupo empresarial privado.

Não será demais lembrar que o Grupo Abril é tradicional financiador de candidaturas tucanas.