[-- Relação da carne e da fome no mundo --]

Se conservássemos a produção de cereais e a distribuíssemos às pessoas pobres e subnutridas, em vez de dá-la ao gado, poderíamos facilmente alimentar quase toda a população subnutrida do mundo. Se o consumo de carne em todo o mundo fosse reduzido à metade, haveria alimento para todos, Um nutricionista de Harvard, Jean Mayer, calcula que, reduzindo-se em 10% a produção de carne, se produziria cereal suficiente para alimentar 60 milhões de pessoas. A verdade trágica e alarmante é que entre 80 e 90% de todos os cereais dos EUA são usados para alimentar animais de corte. Há quarenta anos, os norte-americanos comiam em média 23kg de carne por ano. Atualmente, o consumo só de carne de gado é de cerca de 58kg. Por causa da "fixação do americano por carne", a maioria da população consome duas vezes a quantidade de proteínas recomendada. Uma verificação dos fatos causadores da "escassez de alimento" é fundamental para compreendermos como os recursos mundiais poderiam ser utilizados de forma adequada.

A carne é o alimento mais anti-econômico e ineficiente que comemos, o custo da proteína da carne é vinte vezes mais alto do que o da proteína vegetal, que é igualmente nutritiva. Das proteínas e calorias fornecidas aos animais, apenas 10% são recuperadas na carne ingerida, o que significa um desperdício de 90%. Vastas extensões de terra são usadas para a criação de animais de corte. Estas terras poderiam ser muito mais produtivas se nelas fossem cultivados cereais, feijões e legumes, para o consumo direto do homem. Por exemplo, um hectare de terra usado para a criação de gado fornece apenas um quilo de proteína, no entanto, essa mesma área, se fosse usada para o plantio de soja, produziria 17kg de proteína! Em outras palavras, para a produção de carne, precisa-se de uma área 17 vezes maior do que a necessária para a plantação de soja. Além disso, a soja é mais nutritiva, contém menos gordura e está livre das toxinas da carne. A criação de animais de corte significa um grande desperdício das áreas agricultáveis, como também de água.



[-- Vegetarianos famosos --]

Através da história houve muitos filósofos e pessoas sábias que não comiam carne, uma vez que eles compreenderam a importância de uma dieta vegetariana para a saúde, a paz mental e o progresso espiritual. Eis alguns deles: Albert Einstein, Platão, Leon Tolstol, Bob Dylan, Sócrates, Benjamin Franklin, Richard Wagner, Alexandre Pope, Isaac Newton, H. G. Wells, Pitágoras, Mahatma Gandhi, Rabindranath Tagore, Leonardo da Vinci, Buda, Voltaire, Jean Jacques Rousseau, Charles Darwin, Plutarco, Albert Schweitzer, São Francisco de Assis, George Bernard Shaw, Dalai Lama e Madre Tereza de Calcutá.

"Se não fosse o hábito de comer carne, nós médicos muito pouco teríamos que fazer." (Dr. Fh.Allison)

"É meu ponto de vista que o modo de vida vegetariano, pelo seu efeito puramente físico no temperamento humano, teria uma influência bastante benéfica no destino da humanidade. (Albert Einstein)

"Os animais são meus amigos.... e eu não consumo os meus amigos. "Isto é terrível! Não só devido ao sofrimento e à morte dos animais, mas também devido ao fato de o homem se privar da mais elevada capacidade espiritual, que é a de sentir simpatia e compaixão por todos os seres vivos; violentando seus próprios sentimentos e se tornando cruel." (George Bernard Shaw)

"O homem é verdadeiramente o rei dos animais, pois sua brutalidade os supera. Nós vivemos graças à morte dos outros. Somos cemitérios! Desde tenra idade eu abdiquei de comer carne, e estou seguro de que haverá um dia em que os homens irão encarar o sacrifício de animais como agora vêem a morte de seres humanos." (Leonardo da Vinci)

"Enquanto aceitarmos ser túmulos ambulantes de animais sacrificados, como poderemos ter condições ideais nesta terra? (Leon Tolstoi)

"A terra tem o suficiente para suprir a necessidade de todos, mas não tem o bastante para satisfazer a ganância de algumas pessoas." (Mahatma Gandhi)

"A paz no mundo, ou em qualquer outra esfera, resultará, principalmente, de nossa atitude mental. O vegetarianismo pode proporcionar a atitude mental adequada à paz... Ele expressa um modo de vida aprimorado que, se for praticado universalmente, poderá conduzir as nações a um convívio melhor, mais justo e mais pacífico. " (U Thant - Ex-primeiro-ministo de Myanma)