Vivo ou morto, Pol Pot continua a chamar a atenção do mundo para o Camboja. Seu regime foi o mais trágico exemplo da insanidade de se construir o "homem novo". Em 17 de abril de 1975, quando as tropas do Khmer Vermelho entraram em Phnom Penh, os sofridos cambojanos as saudaram como libertadoras. A euforia durou pouco. Logo começaria a transferência forçada das cidades para o campo, porque para Pol Pot a cidade era a fonte de todo o mal. Os cambojanos deveriam eliminar os vícios "burgueses" e se reeducar com as massas camponesas, como ensinava o não menos ditador da China, Mao Tsé-tung. As primeiras medidas: a moeda local foi abolida, bibliotecas foram transformadas em chiqueiros e intelectuais, profissionais liberais eram sumariamente executados. Calcula-se que 15 mil dos 20 mil professores do país foram mortos, assim como 90% dos monges budistas e um em cada cinco médicos. Até hoje as vítimas do genocídio de Pol Pot são contadas: as estimativas variam de um a três milhões de mortos, num país que tem sete milhões de habitantes.

Pol Pot (nome verdadeiro Saloth Sar), nasceu em 19 de maio de 1928 na Província de Kompong Thom, na então Indochina, dominada pela França. Foi em Paris que tomaria contato na década de 40 com a literatura comunista e o movimento anticolonialista. Em 1953 voltou ao seu país e aderiu aos movimentos clandestinos de independência da Indochina - o Camboja se tornaria independente dois anos depois. Em 1968, liderou os guerrilheiros do Khmer Vermelho em seus primeiros ataques ao governo do então príncipe Norodom Sihanouk, que pretendia manter o país neutro na Guerra do Vietnã. Sihanouk foi deposto e substituído pelo general Lon Nol, aliado dos EUA. Pol Pot tomou o lugar do general em 1975. O regime do Khmer acabaria com a invasão do Camboja, justamente por tropas do Vietnã, no Natal de 1978.