A tentativa da mídia de criar uma crise factóide da febre amarela já faz vítimas.

Estão confirmados 31 casos de overdose de vacina contra febre amarela, com 3 pacientes em estado grave. O caso mais grave é de uma mulher que está internada em Brasília, com um quadro de paralisia dos membros inferiores, crises de desmaio e dispnéia (dificuldade em respirar). Ela está respirando com a ajuda de aparelhos.

Apesar do alerta do Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que chegou a convocar uma rede nacional de rádio e televisão para prestar esclarecimentos sobre os casos recentes de febre amarela em áreas endêmicas, orientando sobre a vacinação apenas para aqueles que não se vacinaram após 1999, e reiterando que a imunização deveria ser feita apenas para moradores de regiões de risco e para quem para lá viajasse, a mídia de oposição ao governo Luís Inácio Da Silva, o Lula, criou um clima de histeria no País, assustando a população rumores de epidemia da doença.

Em nenhum momento a imprensa alertou a população para os riscos de superdosagem da vacina, feita com o vírus atenuado da febre amarela. Tal atitude irresponsável levou a pessoas a tomarem a vacina em até 3 dias seguidos, como o caso de um rapaz do interior paulista que chegou a ser internado com sintomas de superdosagem, mas reagiu bem ao tratamento e logo foi liberado.

Caso alguém venha a morrer, ou tenha alguma seqüela incapacitante causada pela overdose de vacina contra febre amarela, a mídia deverá ser responsabilizada, para que o seu triste espetáculo de irresponsabilidade não fique impune.