Rio de Janeiro-RJ: "Quer uma palavra de consolo? Foda-se a copa!" - Enterro do Presidente

Rio de Janeiro-RJ: "Quer uma palavra de consolo? Foda-se a copa!" - Enterro do Presidente

Dezembro 16, 2015 - 00:00
Publicado em:
0 comments

Nesta segunda-feira, 14 de dezembro, falece Sergio Luis Santos das Dores, conhecido por todos como o Presidente. Seu velório ocorreu nesta quarta-feira, dia 16, no hall de entrada da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, seguido de comboio até o cemitério do Catumbi, onde seu corpo foi inumado por volta das 16 horas.

Sergio Luiz, estava na sala vermelha de uma UPA, ao lado do Hospital Souza Aguiar, no Centro da cidade. Ele possuía, diabetes, parkinson e chegou ao centro de emergências com infecção generalizada.

Morador de rua sempre encontrado pela praça da Cinelândia, principalmente em dias chuvosos, dormia na varanda coberta do bar do Amarelinho. Suas pernas eram inchadas, grande parte por dormir sentado sobre seus pertences para que não fossem roubados ou mesmo retirados pela Guarda Municipal.

Presidente se tornou uma figura histórica por sua participação em diversas lutas sociais. Esteve presente no Ocupa Rio em 2011, onde ativistas ocuparam a praça da Cinelândia, em uma verdadeira experiência de convívio e luta anticapitalista.

Com as jornadas de junho de 2013, que foi uma série de manifestações e ações populares tendo seu início como uma luta contra o aumento das passagens e pelo transporte público de qualidade e gratuito, mas que encontrou eco nas mais diversas lutas contra a opressão e a dominação.

Em véspera da copa do mundo, vendo todo o país ser comercializado para grandes interesses financeiros e políticos, a população e movimentos sociais canalizam suas forças para lutarem em diversas frentes, como contra a violência nas favelas, principalmente pela crescente onda de violência policial, causada principalmente pela entrada das UPPs, contra as remoções dos mais pobres para dar lugar à empreendimentos da copa ou para a especulação imobiliária, entre outros.

A expulsão dos indígenas da Aldeia Maraca' aná foi um exemplo, onde o argumento de construção de estacionamento para o estádio do Maracanã, justificaria a destruição do antigo museu do índio e a expropriação de povos originários que se organizavam no local. Além de diversas comunidades, como a favela Metrô-Mangueira, Vila Autódromo entre outras, e ocupações populares que resistiam há décadas.

Diversas greves por melhorias de condições de trabalho também encontraram fôlego nesse contexto, como a reprimida greve dos professores, dos rodoviários e garis, assim como movimentos e discussões contra o racismo, machismo, homofobia, entre outros, e movimentos por autonomia, também encontraram nesse momento um estímulo para se organizarem e botarem essas pautas na mesa.

Uma dessas experiências foi o Ocupa Câmara, onde diversos ativistas ocuparam a frente da Câmara de Vereadores no Rio, como um foco de resistência e discussões anticapitalistas e de experiência horizontal. Presidente, que já vivia no local, foi um ativo participante das assembleias e das diversas ações políticas.

Presidente também era conhecido por suas participações em intervenções artísticas durantes as manifestações, principalmente durante a 'Copa dos Protestos', onde assumiu o personagem do governante, aquele que trabalha pela manutenção do “Phoder Público”.

Sergio, o único Presidente reconhecido pelo povo, vai deixar um vazio nos corações daqueles que lutaram juntos com ele. Se tornou um símbolo de valentia, simplicidade e dedicação para todos aqueles que se dedicam à transformação social, livre de injustiças e opressão. Uma de suas marcas era quando, nos momentos de dificuldade, ele indagava a todos: “Quer uma palavra de consolo? Foda-se a copa!”

Algumas semanas antes, quando chamado pelo seu apelido, Sergio corrigia e dizia que agora ele era ex-Presidente, que tinha deixado seu “cargo”, pode ser que ele já soubesse que sua caminhada estivesse chegando ao fim e já esperando pelo descanso.

Do que serão as ruas agora sem sua palavra de consolo diante de tanta repressão e covardia?

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.