Informes

Informes

Ataque na aldeia Taquara em Juti-MS.

Homens armados com rifles, rostos cobertos e helicópteros na aldeia Tekoha Takuara.

Leia mais

Lançamento do novo site do CMI Brasil. Seguimos na luta!

O Centro de Mídia Independente do Brasil acaba de lançar seu novo site após 16 anos de existência. A rede Indymedia, da qual o CMI Brasil faz parte, surgiu em 1999 como uma rede de produtoras e produtores independentes com o lema “Odeia a mídia? Seja a mídia!". Desde então, vem buscando oferecer “informação alternativa e crítica de qualidade, que contribua para a construção de uma sociedade livre, igualitária, mais justa, solidária e que respeite o meio ambiente”. Defende também a liberdade de acesso e produção de conhecimento, para contribuir com a concretização daqueles ideais.

Leia mais

Rio de Janeiro-RJ: Ajude o Coletivo Projetação

Ajude o Coletivo Projetação a reaver seu material furtado durante uma ação.

Leia mais

Contagem-MG: Frente Terra e Autonomia pede apoio para a construção do Centro Social Guarani-Kaiowá

A Frente Terra e Autonomia (FTA) pede apoio para a construção do Centro Social Guarani-Kaiowá na comunidade Guarani-Kaiowá em Contagem, MG. Esta Comunidade é uma ocupação urbana que existe fade março de 2013 em um lote irregular de uma empreiteira abandonada e conta com 150 Famílias.

O nome Guarani-Kaiowá foi escolhido em homenagem à luta dos indígenas do centro-oeste brasileiro e agora quera querem construir um centro social com o mesmo nome para abrigar as reuniões comunitárias, assembleias e as mais diversas atividades sociais e culturais de interessa da comunidade.

Segundo orçamento feito pela comunidade, a construção custará R$ 8,100,00 para a compra de materiais e será realizado pelas próprias moradoras e moradores da comunidade.

Segue abaixo o pedido de apoio para a construção do Centro Social Guarani-Kaiowá, através da página https://www.catarse.me/centrosocialgk.

Leia mais

Rio de Janeiro-RJ: AJUDE A FAMÍLIA DO RAFAEL BRAGA

A Campanha Pela Liberdade de Rafael Braga, além de mobilizar em torno da luta para libertar o Rafael, também mantém estreitos laços com sua família, fazendo o possível para ajudá-los com recursos financeiros, já que o Rafael ajudava em casa com o dinheiro que conseguia recolhendo latinha e plástico na rua. Grande parte do dinheiro que a Campanha arrecada com venda de camisas e bottons vai para a família do Rafael ou para o próprio dentro da prisão, porém muitas vezes não é o suficiente.

Leia mais